Canteiro: Pimentas

0

Canteiro - pimenta
De cores vibrantes, com formatos variados e sabores inusitados, doces, suaves ou picantes, as pimentas agradam a diferentes paladares.

Podemos dizer que as pimentas são personagens importantes desde a época da chegada dos colonizadores espanhóis e portugueses ao continente americano. A busca por novos sabores “picantes” resultou na descoberta do Novo Mundo. A pimenta já era uma peça importante na dieta indígena, mas a partir daí foi dispersada para conquistar o mundo. Hoje, as pimentas são as principais especiarias picantes do comércio de vários países.

Alem da culinária, a pimenta tem seu papel importante nas religiões, na medicina (remédios para artrites, dores musculares, dor de dente, má digestão, dor de cabeça e gastrite) e, quem diria, na autodefesa, através dos famosos sprays de pimenta.

A variedade é de encher os olhos…, ou melhor, de dar água na boca, sendo todas pertencentes ao gênero Capsicum. México, Coréia, China, Tailândia…, elas estão por toda parte, mas no Brasil as mais conhecidas são (da mais suave para a mais picante) biquinho, dedo-de-moça, cumari, malagueta e tabasco. Quanto mais suaves, podem ser consumidas “in natura” ou em conserva, mas quanto mais picantes, opte por desfrutá-las em molhos.

Mas como conservar pimentas?
Existem diferentes maneiras de conservá-las: congeladas, secas, no vinagre e azeite, no álcool, defumadas e até mesmo cristalizadas (doces). Todos os processos são simples. Vamos relatar os mais usuais.

Para congelar as pimentas, basta escolher as mais frescas e sem manchas, retirar o caule e as sementes e fatiar. Coloque em sacos plásticos e feche bem. Leve ao congelador e retire os pedaços que for usar. O sabor não se altera com este processo. Uma boa dica para oito meses de conservação.

As pimentas trituradas ou em pó necessitam passar pelo processo da secagem para conservação. Este processo não é feito sob o sol, pois este pode queimar o fruto, mas sim com o auxílio do vento e temperaturas que não ultrapassem os 35˚C. Você já deve ter visto aqueles cachos de pimentas penduradas, muito comuns em regiões mexicanas. Eles são chamados de “ristras” e ficam assim para secar ao vento, em um processo que pode levar de três a seis meses. Após secas, é importante conservá-las em um vidro fechado a vácuo e protegido da luz.

sociedade-da-mesa

Um método muito comum de conservação é no vinagre. A acidez do vinagre impede o desenvolvimento de fungos e bactérias na conserva, mantendo a textura e sabor por até um ano. Podemos também acrescentar legumes, como cenoura e pepino, além da mistura de diferentes pimentas na mesma conserva. O interessante deste processo é que a pimenta permanece crocante e não fica elástica. Algumas dicas importantes: opte pelo vinagre branco para não alterar a cor da pimenta e assegure-se de que ele tenha uma taxa de acidez de pelo menos 5%, para garantir sua ação antibacteriana.

A conservação em álcool é, sem duvida, o processo mais simples. Para começar, nem é preciso esterilizar o recipiente que receberá a conserva. A única condição é que a bebida utilizada (whisky, rum ou vodka) tenha pelo menos 35% de teor alcoólico. Apenas uma pimenta é necessária para 700 ml de álcool. Basta fazer alguns furos na casca e mergulhá-la no álcool. Depois de oito dias você já poderá utilizá-la em molhos ou até mesmo em bebidas picantes.

Conservar é fácil, mas cultivar também é? Claro que sim! A única exigência de qualquer pimenta é a exclusividade. Elas normalmente não aceitam ser plantadas junto com outras espécies, prejudicando o desenvolvimento de suas vizinhas de vaso. Para plantar, utilize terra adubada e rica em nutrientes, uma drenagem bem feita e regas constantes. A pimenteira não aceita solos áridos e pobres, mas lembre-se que: tudo em excesso pode ser prejudicial, desde o adubo até a exposição ao sol. O clima, o solo e a exposição ao sol podem afetar o teor de ardência da pimenta, sem falar na genética de cada fruto, é claro! Outro fator interessante: quanto mais alto o fruto estiver na planta, menos ardência terá. Na hora da colheita, preste atenção para não arrancar o fruto da pimenteira: use uma faca ou tesoura para retirá-lo, isso garantirá a saúde da planta.

Dica de segurança: na hora de manusear as pimentas, use luvas para evitar qualquer acidente.

Texto: Erica Ochoa
Fotos: banco de imagens

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!

 

Deixe um comentário