E para o calor do verão, BATIDAS

0

shutterstock_443159701-1Praia. Embaixo do guarda-sol, você olha o mar, as ondas quebrando suavemente, e curte a cena de verão: os casais indo e vindo, as crianças brincando, a rodinha de vôlei, o bombadão exibindo os músculos. Congele a cena. Você sente falta de algo, mas o “algo” logo aparece. Ao longe, você divisa a figura estranha, mas familiar: o tipo caiçara, magro, mas forte, de Rayban falsificado, camisa aberta no meio do peito e bermuda florida.

Na cabeça, a geladeira de isopor que ele apoia com uma das mãos amassa o chapelão amarelo. O vento faz as palavras do vendedor, repetidas como um mantra, chegarem antes dele até os seus ouvidos: “é a batida de coco, caju, maracujá e caipirinha…”. Você sente uma lufada de alívio no vento e antevê a próxima cena. Uma boa batida desce pela sua garganta em direção ao estômago. Geladinha, cremosa e saborosa.

A cena é familiar, principalmente para quem frequenta praias movimentadas nas temporadas e, é claro, considera clássicos tanto a batida quanto o vendedor. A batida – ou batidinha, como muitos preferem, é uma espécie de coquetel, pois mistura mais de um ingrediente. No entanto, o que a diferencia e confere um charme todo especial é sua consistência cremosa, por conta de ingredientes como creme de leite, mel, sorvetes e outros componentes que concedem, além de sabor, uma experiência gostosa em termos de textura.

A batida está integrada não apenas às praias e ao verão, mas também ao dia a dia. Ela é popular e acompanha os mais diversos momentos. Em muitos restaurantes self-service, ela está lá, à sua disposição em generosas jarras. Em outros, principalmente aos fins de semana, é uma excelente companheira para aqueles 15 minutos de espera que a recepcionista da casa lhe prometeu, e que de antemão você sabia que ia durar uns 50 minutos. As batidinhas também são deliciosas opções para servir em festas ou deixar na mesa para que as próprias pessoas se sirvam, ou para situações sem nenhum glamour, como assistir televisão, ler um livro ou simplesmente não fazer nada bebericando algo.

sociedade-da-mesa

As batidinhas podem ser preparadas de diversas maneiras, misturando as frutas à cachaça, à vodka ou até mesmo aos vinhos, resultando em misturas deliciosas e refrescantes. E o melhor: você não precisa ser nenhum barman para fazer a sua. Basta ser inventivo, ter bom gosto, escolher ingredientes que se conversam (afinal eles vão para o liquidificador) e bater tudo junto – daí o nome, caso alguém ainda tenha dúvidas quanto a isso. Separamos aqui três receitas imperdíveis e excelentes para você aproveitar o calor do momento. Elas vão bem na praia, na piscina, em casa e onde mais você inventar. É preparar e servir.

Ah, sim, você pode fazer muito sucesso decorando taças com criatividade. Flores, guarda-chuvinhas, pedaços de frutas etc…

Por fim, sempre é bom lembrar: batidas são muito versáteis e você pode fazer laboratório com elas. É só juntar os componentes alcoólicos, as frutas e os componentes cremosos. Pronto para brincar? Solte a imaginação e… Cheers!

 

shutterstock_262456109A TRADICIONAL BATIDA DE MARACUJÁ 

  • 3/4 de copo de suco de maracujá, se possível natural
  • 1/2 lata de leite condensado
  • 3/4 de copo de cachaça ou vodka

Bata no liquidificador até a mistura ficar homogênea.

 

BATIDINHA DE FRUTAS

shutterstock_100320752-1

  • 1 xícara de rum, vodka ou cachaça (de qualidade, é claro)
  • 2 xícaras de polpa ou da (s) fruta (s) que você escolher
  • 1 lata de leite condensado
  • 2 xícaras de gelo picado

Bata no liquidificador até ficar tudo homogêneo e consistente, e sirva.

 

shutterstock_178640216-1BATIDA DE SORVETE DE CREME COM VODKA E VINHO

  • 1 dose de vinho branco seco
  • 1 dose de vodka
  • 3 bolas de sorvete de creme
  • 1/2 lata de leite condensado

Liquidificador até ficar homogêneo e pronto.

Texto: Renato Soares

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!

 

Deixe um comentário