Parasitas do vinhedo. A segunda das três grandes pragas Filoxera

0

reblaus_blattgallen

Talvez a mais conhecida das pragas, pela sua devastação, tenha sido a da filoxera, que no final do século XIX, arrasou com o vinhedo nas comarcas vinícolas europeias.
A filoxera – Dactylosphaera vitifoliae – é um inseto de tamanho reduzido, que apareceu pela primeira vez na Europa em 1853, acabando com a maior parte dos vinhedos europeus.

A praga foi para a Europa junto com as cepas americanas que haviam sido importadas para solucionar a primeira praga – o oídio. Esse fungo, que descrevemos no artigo anterior (edição nº 163), atacava os vinhedos da Europa de maneira agressiva, já que se propagou muito rapidamente, causando fortes danos à produção.

Como houve uma repercussão econômica muito importante na época, surgiu a urgência em encontrar uma solução para frear a doença. Por esse motivo foram importadas para vários pontos da França, plantas da variedade “Isabela”, uma videira americana que era resistente ao fungo (oídio). E foi nessas plantas que o inseto viajou dos Estados Unidos à Europa.

sociedade-da-mesa

A imprudência e a cobiça de alguns viveiristas franceses fez com que a França fosse a primeira a sofrer com essa praga, que se propagou completamente pelo país e posteriormente para os vinhedos do resto do continente. A filoxera chegou para ficar e poucos anos mais tarde converteu-se na praga global mais devastadora e decisiva da história da viticultura mundial.

CICLO DE VIDA DA FILOXERA (MEYERS, 1888).

CICLO DE VIDA DA FILOXERA
(MEYERS, 1888).

Frente à aparição desta doença, foram colocadas em prática numerosas técnicas e tratamentos com a finalidade de frear a praga, obtendo maior ou menor sucesso, mas ao todo foram necessários mais de 30 anos para superá-la. A solução foi encontrada em raízes de origem americana que eram resistentes ao inseto, tornando o enxerto o remédio contra a filoxera. E foi graças ao enxerto das variedades europeias que não eram resistentes à praga, sobre os porta-enxertos das espécies americanas – estas, sim, resistentes -, que se iniciou a recuperação dos vinhedos devastados pela invasão filoxérica.

Reconstituíram-se assim os vinhedos europeus: sobre uma raiz americana resistente à filoxera, e com uma parte aérea produtora de uva europeia, já que a uva da videira americana não era ótima para a vinificação. Desse modo, quase todos os vinhedos atuais consistem de um pé ou porta-enxerto de videira americana e um enxerto de videira tradicional da região.

RAÍZES DE VITIS VINIFERA DANIFICADAS PELA FILOXERA.

RAÍZES DE VITIS VINIFERA
DANIFICADAS PELA FILOXERA.

Desde o início da utilização do porta-enxerto, a filoxera converteu-se em um problema menor. Atualmente, todos os vinhedos do mundo, com exceção dos chilenos, de alguns espanhóis e daqueles plantados em solos arenosos, são enxertos desse tipo. Todos os viveiros de hoje administram plantas nestas condições, acompanhadas de um passaporte fitossanitário para garantir a variedade, origem e outros aspectos relacionados ao produtor, e também para garantir que a planta está livre de organismos nocivos, havendo passado por um controle sanitário exaustivo.

 

Texto: Alberto Pedrajo

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

 

Deixe um comentário