De uma galinha, faz-se uma galinhada

Criada solta ao redor das casas no interior do Brasil afora, desde sempre a galinha faz parte do cardápio doméstico, na refeição da semana, nas festas e nos famosos almoços de domingo.

Típico prato caipira, popular e apreciado em diversas regiões sertanejas, a galinhada é um legado dos bandeirantes de origem portuguesa e, curiosamente, também é considerado um santo remédio para curar a bebedeira. Conta-se que um hábito bastante comum, principalmente no interior, é se reunirem na sexta-feira santa para escolher um galinheiro, roubar galinhas e preparar a galinhada, que deve ser consumida durante a madrugada de aleluia.

Muitas vezes, inclusive, o dono do galinheiro é convidado para o banquete galináceo. Outro hábito comum, principalmente no interior de Pernambuco, é servir pratos elaborados com galinha para as visitas religiosas e pastorais, no meio rural. Daí vem a expressão: “come mais galinha do que padre”, pois, no final da jornada, o bom pregador acaba almoçando duas ou três vezes para agradar a todos os fiéis.

Seja qual for a região da galinhada, esse prato tem um valor simbólico – uma comidinha de boas-vin­das e acolhimento, que aquece a alma e encanta paladares.

GALINHADA GOIANA – Típica da região Centro­-Oeste, Goiás. É servida principalmente em eventos e festas. O arroz é reforçado no tempero e cozido com pedaços de frango caipira. A mistura costuma ser refogada com pequi, guariroba (espécie de pal­mito amargo) e cúrcuma. Por isso, ganha coloração amarelada.

sociedade-da-mesa

GALINHADA MINEIRA – prato também típico da região Sudeste – aliás; há uma grande disputa com o estado de Goiás, ambos reivindicando a paternidade do prato. Os ingredientes principais da versão mineira são o frango caipira, pimentão-verde e cheiro-verde.

GALINHADA CAMPEIRA OU GAÚCHA – Esta galinhada lembra a vida campestre, simples, dos pampas do Rio Grande do Sul. O modo de fazer é similar ao Carreteiro de Charque. Mudando apenas os tipos de ingredientes. Se você puder utilizar a panela de ferro, como nas outras receitas, tanto melhor. Ela preserva mais o calor e dá um sabor inconfundível à comida – a rapinha do arroz, então, é de comer rezando! Além disso, esse prato é oficial da cidade de Venâncio Aires, também conhecida como Capital do Chimarrão, utilizado para diversas celebrações.

Dicas importantes:

  • Tempere o frango em pedaços e deixe-o marinar por 12 horas (de um dia para o outro).
  • Para fazer uma galinhada mais cremosa, experimente usar o arroz arbóreo.
  • Ao invés de usar água no cozimento, prefira um bom caldo de legumes ou frango. Tampe a panela e deixe a mistura em fogo brando.
  • Para aqueles que gostam de um bom prato gratinado, experimente gratinar a galinhada com queijo canastra ou parmesão.

Texto: Amanda Ivanov

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

 

Deixe uma resposta