Bacalhau, pra quem é, bacalhau basta?!

0

O ditado jocoso que abre este artigo dá a entender que, para uma pessoa fútil, desinteressante, até ignóbil, qualquer coisa serve. E, pior, relega ao bacalhau, cultuado pelos amantes da boa gastronomia e do bom gosto, o status de “qualquer coisa”.

Nada mais injusto! O Gadus morhua, o chamado bacalhau do Atlântico, não faz jus a essa má fama. Até porque é tido como o bacalhau verdadeiro, único e original, entre outras 60 espécies de peixes migratórios que vêm dos frios mares do Norte, que banham, entre outros países, a Noruega.

Ok, até entendemos que a aparência (via de regra aberto ao meio), quando damos de cara com ele nos supermercados da vida, não é das mais impressionantes. Mas, cá entre nós, nenhum peixe na peixaria é exemplo de beleza. Bem, uma vez explicitados aqui nosso protesto e nossa defesa, vamos aos fatos que comprovam tudo isso com mais contundência: a presença do bacalhau nas mesas e os benefícios de sua química, que é muito especial.

Começando pela mesa, vale lembrar aqui que o Gadus morhua é muito mais do que um alimento de Sexta-feira Santa. O versátil peixe é uma excelente pedida pra qualquer dia da semana, inclusive como prato para servir em reuniões de amigos ou familiares, e em comemorações com a tradicional bacalhoada. Gratinado, assado no forno, com batatas e arroz, frito, em tortas, sopas e até nos deliciosos bolinhos servidos nos botecos gourmet da vida, o bacalhau sempre faz bonito, e é uma das grandes estrelas dos melhores restaurantes portugueses, onde muitas vezes um prato tem um preço que é bem a cara do peixe: salgado. Bem salgado.

QUEM VÊ A CARA NÃO ENXERGA OS BENEFÍCIOS
E caso você faça parte do grupo que “não vai com a cara” nem com o cheiro do bacalhau, é bom saber que ele, além de ir muito-bem-obrigado na dieta dos brasileiros, com um consumo maior do que podemos imaginar, também faz muito bem para a saúde, de acordo com o modo que é consumido.

Alimento leve e pouco calórico, o peixe é rico no muito falado e cultuado Ômega 3, que contribui para aumentar o colesterol bom (HDL) e diminuir o ruim (LDL). Também reduz os triglicérides e ajuda o organismo na prevenção contra os males cardiovasculares. Ressalva feita aos hipertensos, pela quantidade de sódio do peixe. O consumo com parcimônia é altamente recomendado.

Por outro lado, este queridinho das mesas portuguesas e brasileiras conta ainda com um verdadeiro arsenal de nutrientes e componentes que fazem até você esquecer que ele é feinho. Vejamos:

sociedade-da-mesa

Proteínas: importantíssimas pra dar aquela força e equilíbrio ao organismo, além de serem benéficas para a pele, os cabelos e as unhas.
Vitamina A: ajuda no crescimento das crianças, inclusive durante a gestação. Faz bem para os olhos.
Vitamina E: combate os radicais livres, que podem acelerar o envelhecimento. Auxilia o desenvolvimento e crescimento, e deixa a pele mais firme e sadia.
Vitamina B12: contribui para a formação dos glóbulos vermelhos, ajuda no equilíbrio hormonal e no controle de glicose, e ainda aumenta a saúde muscular.
Triptofano: ajuda a prevenir contra a depressão e a ansiedade.

Cálcio: excelente para a saúde dos ossos.
Sódio: nas quantidades certas e seguras, contribui para o funcionamento correto do sistema nervoso.
Selênio: um poderoso antioxidante.
Magnésio: combate os radicais livres e contribui para o metabolismo de energia.
Potássio: um antiestressante daqueles, deixa a gente bem calminho e, de quebra, ajuda a regular a pressão.
Fósforo: importantíssimo para a memória. Com ele, ninguém vai esquecer dos benefícios do bacalhau.

Texto: Renato Soares

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!

 

Deixe um comentário