Escolha certa na prateleira!

0

Apostar em um alimento conservado em lata ou vidro com pouco sódio já é uma ótima opção para quem busca aliar praticidade, qualidade e saúde. Saiba o que comprar!

Consumir alimentos frescos é o mais indicado, porém, no dia a dia, a maioria das pessoas acaba se rendendo aos itens conservados em lata ou vidro, devido à praticidade. Por isso, é importante saber fazer a escolha certa na hora de comprar as versões semiprontas, geralmente armazenadas em latas e vidros, que ganham cada vez mais espaço, nas prateleiras dos supermercados.

De acordo com a nutricionista Brunna Moreira, tais alimentos são seguros e livres de contaminação, desde que as embalagens estejam íntegras. “A lata, após aberta, passa por uma oxidação natural, por isso o alimento deve ser transferido para uma embalagem de plástico ou vidro”, ensina. O tempo de armazenamento após aberto é informado pelo fabricante no rótulo do produto. Esse prazo geralmente vai de um a três dias.

Por isso, a nutricionista Andréa Farah destaca que os recipientes de vidro são os ‘queridinhos’ no quesito saúde, sendo que neste grupo estão inclusos os potes de palmito, azeitona e até molho de tomate. “Entre latas e vidros pode-se concluir que o vidro é melhor, mas ao comprar alimentos enlatados é importante observar o estado físico da lata, que não pode estar amassada e estufada. Já o vidro não pode ter a tampa amassada ou danificada”, acrescenta Andréa.

DE OLHO NA QUANTIDADE DE SÓDIO
Outra dica essencial é escolher a opção com menor quantidade de sódio. “O recomendado na hora do consumo é descartar o líquido da conserva e lavar o alimento – legumes, leguminosas ou grãos – com água filtrada, pois esse processo diminui a quantidade de sódio do alimento”, alerta Myleide Barbosa, nutricionista que atende pelo GetNinjas.

sociedade-da-mesa

Ela ensina ainda que, o peixe conservado em óleo é melhor que em água. “Isso acontece porque o mercúrio, que contamina o peixe, e o alumínio, proveniente da lata, são lipofílicos e se ligam ao óleo da conserva. Já no caso da água isso não acontece, e os contaminantes ficam ligados ao peixe”, justifica. Assim, basta retirar todo o óleo do peixe para diminuir essa contaminação por metais pesados. “A conserva em óleo também ajuda a preservar o Ômega-3”, completa.

O QUE CONSUMIR E O QUE EVITAR
Pela praticidade, os melhores alimentos em conserva são os vegetais que podem ser usados em saladas, como ervilha; milho; seleta de legumes e palmito. Já as frutas em calda devem ser evitadas devido ao alto teor de açúcar. Também devem ser consumidos com muita moderação embutidos em conserva, sopas e feijões, pois já são alimentos ultraprocessados, com adição de conservantes para dar aroma e sabor.

Para ajudar a decifrar os rótulos, Bruna explica que devem ser evitados alimentos contendo edulcorante; acidulantes e aditivos. Optando-se mais pelas versões cozidas no vapor; com baixo sódio; que indicam boa conservação.

PODEM CONTINUAR NA LISTINHA DE COMPRAS?
Os especialistas garantem que sim, mas com moderação! “Eles podem ser consumidos sem medo, no entanto; não diariamente. O segredo é o equilíbrio. São práticos e gostosos, por isso recomendo o consumo, no máximo, duas vezes na semana”, finaliza Myleide Barbosa.

Texto: Simone Cunha

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

 

Deixe um comentário