E a moda é não comer. Por um tempo

0

Dizem que não se trata de dieta, e sim de estilo de vida. É o chamado “time-restricted eating”, ou jejum intermitente. Não é só uma questão de ingerir menos calorias, mas de restringir o tempo de alimentação ao longo do dia.

Várias culturas e religiões usam o jejum, não é coisa nova. Mesmo os nossos antepassados, por escassez de comida, não costumavam comer de 3 em 3 horas. Mas a adoção sistemática da prática faz perder peso, serve de detox e melhora a qualidade de vida, segundo muitos especialistas, Beyoncé, Deborah Secco e Hugh Jackman.

sociedade-da-mesa

O protocolo 16/8 é o mais indicado: 16 horas de boca fechada, e depois fazer todas as refeições no período de 8 horas. Nada de alimentos processados e refinados, açúcares e gorduras ruins. Refeições equilibradas e muita água o tempo todo. Preferência por carnes magras, legumes, verduras e itens de baixo índice glicêmico.

Fisiologicamente, o jejum baixa os níveis de insulina do sangue, abrindo espaço para a atuação de outros hormônios (glucagon, cortisol, adrenalina) que queimam a gordura, preservando a massa muscular. O procedimento, porém, não é recomendado para pessoas muito ansiosas, diabéticos, gestantes, hipertensos, cardiopatas e idosos.

À primeira vista, não parece assim tão difícil jantar às 20h e só voltar à mesa no almoço do dia seguinte. Alguém se habilita?

Texto: Spartaco Rodrigues

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

 

Deixe um comentário