Fatos e números para bebericar

Que país no mundo bebe mais vinho? Quanto de vinho bebe-se no Brasil? Onde estamos nesse ranking? Como diz uma menininha de desenho animado em um famoso canal de TV a cabo: “São tantas perguntas!”.

Sim, o mundo do vinho é dinâmico e sempre tem novidades interessantes. Por isso trazemos até você esta nova coluna “Umas e Outras”, que vez por outra trará dados interessantes, nem sempre numéricos, e até curiosos, para que fi quemos sempre atualizados quando o assunto é a nossa bebida preferida. Afinal, vinho também é cultura. E como é. Sirva-se de uma taça – com um de nossos vinhos, é claro – e saboreie.

Estamos crescendo
Os vinhos brasileiros não são mais exclusividade do Rio Grande do Sul. Atualmente são seis zonas produtoras no Brasil, com mais de 1.100 vinícolas ao redor do País, elaborando vinhos com especialidades diferentes, numa área de produção vinícola total que chega a mais de 79 mil hectares. No ranking do Hemisfério Sul, o Brasil já é o 5º maior país produtor e está crescendo com rapidez.

No ranking mundial, porém…
… o Brasil ocupa a 14ª posição, com 3,4 milhões de hectolitros. A produção de vinho cresceu bastante em 2018. Segundo os dados da OIV (Organização Internacional da
Vinha e do Vinho), foram produzidos 28,2 bilhões de litros no mundo. A Itália continua liderando a produção. Ainda conforme a OIV, em 2018, o país produziu 48,5 milhões de hectolitros. Logo atrás, vêm a França, com 46,4 milhões e a Espanha, com 40,9 milhões de hectolitros em terceiro lugar. Completando o Top Ten, temos os EUA, com 23,9 milhões; Argentina com 14,5 milhões; Chile com 12,9; Austrália com 12,5 e África, China e Alemanha, respectivamente com 10,8, 10,5 e 9,8 milhões.

Quem bebe mais?
A OIV também mostra, em seus últimos relatórios, o país que mais bebe vinho. São os Estados Unidos, que lideram o ranking com 32,6 milhões de hectolitros consumidos. Mas, individualmente, o povo que é mais chegado às taças é o português. São 54 litros de vinho por pessoa/ano. Mais que o dobro do consumo per capita de seus vizinhos da Espanha. Atrás dos portugueses, vêm os franceses, com perto de 52 litros/ano, e os italianos, que enxugam em torno de 42 garrafas por ano.

O Vaticano na concorrência
Você já deve ter ouvido algo sobre o Vaticano ser o maior consumidor de vinho per capita do mundo. Contradição à vista? Calma! Os portugueses lideram entre os maiores países, mas perdem quando consideramos na lista o Vaticano, que ostenta a apertada vitória com 54,26 litros bebidos por pessoa ao ano. Vale dizer que o pequeno país tem por volta de 1.000 habitantes. Que, aliás, já foram bebedores de vinho mais ferrenhos: em 2009, a média foi de 78,8 litros por pessoa.

Por falar na Santa Sé…
…a Argentina, pátria-mãe do Papa Francisco, é o país que mais toma vinho na América Latina e o sexto maior do ranking mundial, com seus 31,6 litros por hermano por ano.

E nós?
O Brasil fica em 17º lugar em consumo mundial, com 330 milhões de litros, o que dá, em média, quase duas garrafas por cabeça verde e amarela. Quando se trata da Região Sudeste, no entanto, o número médio aumenta para 8 litros/pessoa/ano.

Exportações
A Espanha encabeça o ranking, pelos dados da OIV e pelo Observatório Espanhol dos Mercados do Vinho, com 22,1 milhões de hectolitros. Colado em sua bota vem o país da
bota: a Itália exporta 21,4 milhões de hectolitros. E na sequência, a França, com 15,4 milhões.

O general e o vinho
Em fevereiro passado, o vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, recebeu uma comitiva do setor vinícola brasileiro em Caxias do Sul. Motivo? Reivindicações. Entre elas, que o vinho seja incluído como parte da dieta alimentar dos brasileiros e, assim, reduzir as alíquotas de impostos, consequentemente oferecendo valores finais menores ao consumidor. O general ficou de levar as solicitações ao homem do dinheiro, o ministro Paulo Guedes, da Economia. É esperar para ver se a coisa avança.

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

Texto: Paulo Samá

Deixe uma resposta