131029_Nin_W2I7942Com um clima agradável, paisagens surpreendentes e uma costa interminável e repleta de ilhas. O sul da Croácia tem despertado muito interesse de turistas de todo o planeta, especialmente no verão.

Estamos na costa da Croácia; um país com forma de C no qual a distância (histórica) entre o norte e o sul do país seria difícil traçar em linha reta. O solo da região do sul da Dalmácia sustentou tanto piratas ilírios, como um imperador afastado em uma das etapas mais convulsivas do Império Romano; uma hegemonia comercial veneziana e até o próprio Napoleão Bonaparte – pequenos conflitos, quando comparados a alguns momentos da etapa mais sanguinolenta da Europa no período do pós-guerra. Hoje em dia, é parte de um dos países mais seguros do continente e recebe a atenção do turismo internacional com suas inúmeras possibilidades.

131028_Trogir_tendederos_terraza_W2I7449

A cidade de Split é um excelente ponto de partida. Ela tem o porto mais importante da região e é a segunda maior cidade do país em população, conectada com o resto do mundo através de seu aeroporto internacional. Além de apreciar o monumental Palácio Diocleciano ou a Praça da República, o centro histórico do lugar é completamente dedicado ao visitante.

Essa atenção ao turista acontece de maneira natural, sem assédio comercial.
No porto, que tem um intenso tráfego de cruzeiros, é possível contratar diferentes passeios para visitar as inúmeras e extraordinárias ilhas do Adriático, onde é possível fazer atividades aquáticas e telúricas. Estamos falando de lugares como: Drvenik Mali, Vis, Biševo, Korula, Meleda, Šedro ou Hvar, ilhas muito próximas entre si, nas quais encontramos enseadas secretas e desertas, com água cristalina, conventos silenciosos, pedreiras abandonadas, cidades e fortes ancestrais, lagos singulares, pontos onde comer sardinhas frescas, vinhos locais, vida noturna e habitantes alegres, no verão, principalmente.

Como há escassez de hotéis para atender a grande demanda no alto verão, as autoridades turísticas do país concederam a um grande número de casas particulares – supervisionadas, é claro! – a possibilidade de oferecer quartos aos turistas.
Uma solução que, ocasionalmente, pode ser melhor e mais econômica que a estada em um hotel convencional. Para consultar essa alternativa há websites como Adriatic e Apartmani Hvratska. Ao Oeste, é possível fazer uma escalada no povoado da ilha de Trogir, Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, um lugar onde se condensa mais de dois milênios de civilizações, com um pouco mais de um quilômetro quadrado.

De lá, pegamos a estrada para Zadar. Escolhendo a via costeira ao invés da autoestrada. Deixando para trás a cidade de Šibenik, com sua catedral de Santiago. Uma rota que permitirá passar por localidades como Biograd, na Moru. Que foi a capital medieval do Reino da Croácia e na qual, com imaginação, é possível encontrar pistas misteriosas deixadas pelos cavaleiros templários que a governaram.

131028_Zadar_W2I7591Uma vez em Zadar, nossa percepção é de estar em um lugar compacto e monumental, porém moderno em ânimo e ambiente. 

Desde seu passado liburno e romano. Cujos vestígios ficam bem evidentes no fórum urbano até no moderno show de luzes eletrônicas chamado “Saudação ao Sol”. (Cuja banda sonora é feita por um órgão marinho que funciona conforme a maré), notamos uma cidade que restaurou sua substância histórica com determinação. Mostrando seus marcos históricos nas igrejas, colunas e edifícios; (praticamente todos com uma função). Uma cafeteria com vista para a capela do final da Idade Média; a Igreja de Santo Donato que, por causa da acústica soberba, é utilizada como sala para concertos. Seu bairro universitário é muito ativo e oferece uma vida noturna alegre (além dos cinco “nightclubs” de Zadar) além da hotelaria.Trata-se de uma cidade particularmente ativa.

131029_Pag_queso Paski Sir_W2I7690Com Zadar como acampamento base, é possível ir ao oeste. Penetrando em uma região muito mais árida na qual a pedra calcária aflora. Nossa primeira parada será no município de Pag. Onde se elabora o queijo Paski sir, considerado um dos melhores do mundo. Em cuja preparação se utiliza leite de ovelhas da ilha, que pastam em liberdade e se alimentam de ervas aromáticas pulverizadas pelo vento marinho carregado de sal.

O trabalho manual típico da região é a renda de Pag; um tecido caríssimo, ornamentado e de complexa confecção. Cuja técnica foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. As populações das ilhas de Pag e Novalja, são muito mais ativas no verão. (Perto dali, está a magnífica praia de pedras Zre, conhecida pelo ambiente de boates). É interessante visitar o assentamento original da ilha, hoje abandonado, e as salinas. É obrigatória uma visita ao encantador povoado de Nin. Reduto do alfabeto glagolítico e da língua rutena. O povoado é repleto de ruínas interessantes; como a da Igreja de Santa Cruz, conhecida como a menor catedral do mundo. Menos conhecido que outros lugares da Dalmácia Central. Nin conta com uma completa e adequada infraestrutura de hospedagem. Assim como diversas atividades culturais.

Revista Sobremesa
Texto: Luisa Denis

Fotos: Álvaro Fernández Prieto