Fábio Angelini

ARROZ DE HAUÇÁ PARA “O ÁGUIA DE HAIA”.rui barbosa

Invariavelmente, o pequeno homem pulava da cama entre quatro e cinco da matina. Após lavar o rosto no quarto de vestir, colocava o roupão sobre o pijama, e aguardava na biblioteca a hora do café da manhã. Sua mania eram os livros. Então, chá preto com leite e torradas de pão provençal com manteiga, na companhia de Maria Augusta, a esposa, e dos seus jornais. Às sete, já estava pronto para o batente.

Assim era Rui Barbosa, disciplinado, austero, focado, trabalhador. Apesar dos 48 quilos e 1,58 metros de estatura, o jurista, jornalista, diplomata, advogado, escritor, político, tradutor e orador, possuía grande resistência física, fibra e inteligência. Já aos cinco anos de idade, surpreendia seu professor Ibirapitanga, aprendendo a conjugar todos os verbos regulares e fazer análise gramatical em duas semanas.

Anos mais tarde, seu talento encontrou eco em um vozerio arrebatador, que se impunha pela palavra fácil e pelo timbre claro, com riqueza de vocabulário, domínio de linguagem e imaginação expressiva. Por tudo que foi e por tudo que fez – abolicionista, senador, ministro, presidente da ABL, coautor da constituição da Primeira República –, muitos o consideram o maior brasileiro da história.

Rui Barbosa era tão genial à escrivaninha quanto frugal à mesa. O que não significa que não fosse exigente. Apreciava canja, caldo de feijão, legumes, frango ao molho pardo, moela, fígado, frutas e, como bom baiano, todos os pratos típicos – especialmente moqueca de peixe e molho de pimenta. Porém, tudo servido à francesa, na sala de almoço ou jantar, com uma dúzia de convidados em várias ocasiões.

O prato que arrancava suspiros do “Águia de Haia”, no entanto, era o arroz de hauçá. Um arroz quase papa, cozido em água, leite de coco e sal, acrescido de carne-seca, cebola, alho, molho de camarão seco e malagueta, tudo regado com azeite de dendê. Era normalmente feito num avantajado fogão a lenha, e em panelas de cobre brilhante, que conservavam melhor o calor. Na apresentação, é bem semelhante a um cuscuz, com os ingredientes arrumados em torno do anel de arroz. Outro eminente conterrâneo seu também não resistia à iguaria: Jorge Amado.

Ela foi trazida para o Brasil entre os séculos XVIII e XIX, pelo povo africano denominado haussá, hauçá ou haúsa, que habitava o norte da Nigéria. A culinária nordestina (principalmente a baiana) incorporou-o ao seu rico repertório, com retoques que tornaram o arroz de hauçá ainda mais apetitoso. Até o candomblé passou a utilizá-lo como oferenda ritual.

Durante um banquete servido em sua homenagem, quando disputava a campanha presidencial, diz-se que Rui Barbosa foi indagado pelos convivas sobre a origem do termo hauçá. Ele, enciclopédia ambulante que era, deveria saber, é claro. E explicou que se tratava de uma corruptela de “água e sá”, nascida do linguajar dos negros. Ninguém duvidou, até aplaudiram.

Talvez não passe de lenda. Mas mesmo os homens mais brilhantes podem cometer seus deslizes à mesa.

 

RECEITA BAR GENIAL
arroz de hauçá

Ingredientes

Arroz

  • 4 e 1/2 xícaras de chá de arroz cozido
  • 1 e 1/2 xícaras de chá de leite de coco
  • Sal a gosto

Carne-Seca

  • 5 colheres de sopa de azeite
  • 1 cebola cortada em rodelas finas
  • 350g de carne-seca desfiada

Camarão

  • 3 colheres de sopa de azeite de dendê
  • 1/2 cebola picadinha
  • 350g de camarão fresco
  • 1 xícara de chá de leite de coco
  • Sal, coentro e pimenta a gosto

Molho de pimenta

  • 1/2 tomate sem pele e sem semente
  • 1 colher de sopa de camarão seco e outra de suco de limão
  • 2 colheres de sopa de azeite, de azeite de dendê, de cebola ralada e de águaquente
  • 1/2 colher de sopa de pimenta dedo-de-moça

 

Modo de preparo

Arroz

Em uma panela, coloque o arroz já cozido e o leite de coco. Deixe cozinhando em fogo baixo, adicione o sal, tampe e reserve.

Carne-Seca

Deixe a carne seca de molho e troque a água pelo menos duas vezes. Cozinhe e desfie. Em seguida, aqueça o azeite e coloque a cebola, deixe murchar e adicione a carne-seca desfiada. Misture bem e também reserve.

Camarão

Aqueça o azeite e o azeite de dendê, coloque a cebola e deixe murchar. Adicione o camarão já limpo e o leite de coco. Refogue, temperando com sal e pimenta. Desligue e fogo e junte o coentro bem picadinho.

 

Conheça as vantagens de fazer parte da Sociedade da Mesa, clube de vinhos! Associe-se!