artigo-tecnico
O OÍDIO
Geralmente os amantes do vinho prestam pouca atenção na viticultura, que é, aparentemente, a parte mais  sem graça do vinho. Mas aqui no clube estamos dispostos a nos aprofundar nos aspectos mais relevantes desta ciência. E levar o conhecimento ao associado, de uma forma amena. Vamos falar, em 3 artigos, sobre as 3 pragas mais importantes, as quais condicionaram, em grande medida, o cultivo nos últimos 150 anos. Porque o vinho não é somente glamour.

Durante a segunda metade do século XIX, os vinhedos da Europa foram devastados por três pragas: o oídio (Uncinula necátor), a filoxera (Dactylosphaera vitifoliae) e o mildiu (Plasmopara vitícola). A origem dos três estava do outro lado do Atlântico. Lá, conviviam com as videiras de origem americana que haviam desenvolvido resistência a todos eles. Mas os vinhedos europeus, ilhados e sem contato prévio com essas pragas, foram feridos primeiro pelo oídio, logo depois pela filoxera e, na sequência, pelo mildiu. O resultado daquela praga, que teve magnitude gigantesca, foi a queda da produção dos vinhos na Europa e uma crise que se prolongou durante anos, até que se encontrassem remédios.

Duas das pragas, o oídio e o mildiu, são do tipo criptogâmico, provocados por fungos que se reproduzem em ambientes úmidos e temperaturas suaves. O controle pode ser feito mediante tratamentos com produtos  químicos, como o enxofre para o oídio, e o sulfato de cobre para o mildiu. Tanto um quanto outro causam danos às folhas e ao bago, o que provoca a redução da colheita, mas não mata a planta. No caso da filoxera, pelo contrário, o inseto parasita ataca as raízes e provoca a morte da videira. Mesmo existindo algumas condições naturais que freiam seu desenvolvimento (ambientes áridos e solos arenosos), não há tratamento
químico ou natural contra ela, por isso a única solução é substituir os pés europeus por pés americanos.

Mais de 5 milhões de hectares de vinhedo tiveram de ser arrancados em toda a Europa, entre 1870 e 1930.
Destes 3 parasitas do vinhedo, hoje em dia talvez seja o oídio o mais temido pelos viticultores. A razão disso é sua extrema virulência e a impossibilidade de recuperar os órgãos afetados, principalmente os bagos, uma vez iniciada a colonização. Mesmo que possa aparecer em qualquer órgão verde do vinhedo, o principal dano desta doença concentra-se no cacho. O fungo ocupa a pele do bago, cobrindo-o com um pó de cor chumbo, que vai clareando conforme a uva cresce.

sociedade-da-mesa

A primeira consequência após o pó sobre as peles ficar branco, é a parada do crescimento da pele. Mas no interior da uva, tanto a polpa como as sementes continuam crescendo, o que causa uma pressão sobre a pele, e esta acaba se rompendo. Essas feridas não se produzem de modo isolado em alguns bagos. Seu aparecimento espalha-se por todo o cacho, o que supõe a perda do fruto, mas também  e principalmente constitui um importante foco de entrada de fungos e bactérias indesejáveis.

A temperatura, a umidade e, em menor proporção a insolação, são os fatores climáticos que condicionam o
desenvolvimento do fungo. A temperatura é o fator climático que tem mais influência no desenvolvimento
da doença. Temperaturas próximas dos 15ºC começam a ser favoráveis a seu progresso e propagação, mas as temperaturas ideais para a doença estão entre os 25 e os 28ºC. Aos 35ºC o desenvolvimento é detido, e a
partir de 40 não se desenvolve.

A umidade ambiental também influencia o desenvolvimento da doença. Mesmo que em menor proporção do que a temperatura. E ao contrário do que acontece com o mildiu; as chuvas abundantes freiam o desenvolvimento do fungo e o vento contribui para a sua propagação para as plantas próximas. O oídio é, sem dúvida, a praga mais complexa de se enfrentar no vinhedo. Sua condição endêmica em algumas regiões produtoras obriga os viticultores a cuidados e controles constantes.

Texto: Alberto Pedrajo

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!