Uma comemoração em família, um jantar romântico oufilmes-e-vinhos
simplesmente uma boa desculpa pra relaxar e curtir. O vinho está sempre ligado às coisas boas. Ok, você está careca de saber disso, afinal esta é a revista da Sociedade da Mesa e você, associado, provavelmente tem sempre uma taça por perto. Porém, vinho combina com tudo e desta vez vamos harmonizá-lo com cinema, lembrando alguns saborosos filmes que o abordam, seja como protagonista ou coadjuvante.Não se trata de uma lista, até porque quase todo dia nos deparamos com elas: os 10 erros mais comuns nisso, os 15 passos infalíveis para aquilo, as 2.954,72 músicas que você tem que ouvir antes de morrer…

O querido leitor que nos desculpe, mas listas, via de regra, são chatas. Quem as cria nunca leva em conta que as pessoas não têm gostos iguais. Invocamos aqui o querido Nélson Rodrigues para nos lembrar que
“toda unanimidade é burra”.Comentemos alguns filmes, então. Sem muitas pretensões, só para bisbilhotar as relações entre vinho e cinema através dos tempos. E, quem sabe, trazer alguma novidade que deixe você com vontade de garimpar na TV, nas lojas e até mesmo nos serviços de filmes e séries via streaming.

Pipocas e vinhos a postos?
Podemos começar com O Rato que Ruge, comédia cult de 1959, dirigida por Jack Arnold e estrelada por Peter Sellers. Assumidamente non sense, retrata uma pequena nação que depende do vinho para sobreviver, mas está quebrada. Os estrategistas do país têm a genial ideia de declarar guerra aos E.U.A., usando apenas 20 homens armados de arco e flecha. A ideia é perder a guerra e contar com a assistência de outros países para reerguer a economia.

Acontece que, contra toda a lógica ,eles vencem a guerra. Daí pra frente é bom tomar cuidado ao beber e assistir: o risco de engasgar de tanto rir é grande.Do mesmo ano, com direção de Henry King e contrastando com as risadas do anterior, vem o drama O Vale das Paixões. Ambientado nas vinícolas californianas de 1931, o filme se desenvolve sob a perspectiva de um casamento arranjado e do contrabando de uvas durante a Lei Seca americana. No elenco, figuras como Claude Rains, de O Fantasma da Ópera, e Rock Hudson, de Sangue, Suor e Lágrimas.Um pulo de 10 anos e encontramos O Segredo de Santa Vitória, de 1969.

sociedade-da-mesa

Na Segunda Guerra Mundial, o vilarejo italiano de Santa Vitória, que produz vinhos antológicos, depara-se com um problema: as tropas nazistas estão chegando e querem se apossar dos vinhos da cidade. Comédia deliciosa com Anthony Quinn na pele do ébrio prefeito Ítalo Bombolini, que recebe a missão de achar uma saída para esconder os vinhos dos alemães.

Por falar em Anthony Quinn, ele também está em Caminhando nas Nuvens (1995), desta vez como patriarca de uma família proprietária de um vinhedo, cenário do lacrimoso e conturbado romance entre Paul Sutton (ex-combatente da Segunda Guerra vivido por Keanu Reeves) e a bela Victoria Aragón, vivida por Aitana Sanchez-Gijón. Já no sensível Um Bom Ano, encontramos Russel Crowe na pele do bem sucedido negociante Max Skinner, que parte de Londres para a França a fim de transformar em dinheiro o vinhedo que herdou do tio (Albert Finney). Mas as lembranças da infância, do tempo em que fora educado na arte da enologia, pegam-no de surpresa e ele descobre que a tarefa não será tão simples.

Para fecharmos nossos modestos destaques, como não citar o premiado Sideways – Entre Umas e Outras? Apesar de recente (2004), o filme já é um clássico, com o divertido passeio de despedida de solteiro que Jack (Thomas Haden Church) recebe de presente do melhor amigo Miles, vivido por Paul Giamatti. As aventuras e a amizade da dupla são retratadas entre as lindas paisagens vinícolas do Vale de Santa Inez, na Califórnia.

[widget id=”blog_subscription-3″]

Sentiu falta de algum? Nós também. Afinal, são muitos os títulos que circundam o universo enófilo-cinematográfico e merecem ser citados, como Mondovino (2004); Um Ano na Borgonha (2013); Somm (2013); O Ano do Cometa (1992); O Julgamento Final (2008); Vicky Cristina Barcelona (2008) e dezenas de outros, que mereceriam não só citações, mas matérias completas. Quem sabe não voltamos a este assunto mais para a frente.

Mas antes de tudo, lá em 1946…
…Um outro filme já dava destaque ao vinho, embora em apenas um momento da película. Em Notorious,
suspense de Alfred Hitchcock onde um agente americano busca espionar um nazista (como vemos, a Segunda Guerra é um tema tão recorrente quanto o vinho), temos uma cena rodada em uma adega, onde um Pommard 1934 despenca de uma prateleira e se espatifa no chão. Humpf! Que desperdício.

Texto: Paulo Samá

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!

 

Vinho RoséPowered by Rock Convert