baleiro-giratorioNão se sabe bem a razão do fascínio que algumas pessoas têm por baleiros. Pode ser, talvez, uma memória afetiva. Basta lembrar que o Comfort Food e suas lembranças saborosas está mais do que na moda. E lembranças assim povoam as memórias saborosas de muita gente, principalmente de quem foi criança nos anos 1970. Brincar na rua e passar no botequim para pedir um copo d’água (geralmente da torneira) e girar o baleiro para escolher balas era obrigatório.

Outra razão talvez seja o inesquecível e “chicletoso” – desculpem a palavra inventada – jingle daquela bala que quase todo mundo sabe qual é, que fazia a gente incessantemente cantar “roda, roda, roda, baleiro, atenção, quando o baleiro parar, põe a mão…”.

Com a onda vintage mostrando a cara em todos os lados, o famoso baleiro, exclusividade muitas vezes engordurada dos tais botequins, há algum tempo faz parte dos objetos de desejo e fascínio de muita gente. Alegria de crianças e adultos, ele continua girando e girando, agora também nas casas. Deu um deja-vu gostoso? Não é difícil encontrar o seu. Só não deixe que a sorte se intrometa.

Preço médio: R$ 200,00

sociedade-da-mesa

Atenção: a Sociedade da Mesa e sua revista não têm acordos comerciais com as marcas apresentadas nesta coluna. O valor exposto é a média de mercado. Caso se interesse, recomendamos que faça uma busca na internet a fim de encontrar o melhor custo-benefício.

Texto: Rafael Souza

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!