Cada vez mais turistas deslocam-se em torno de vinícolas com o propósito de conhecer; desfrutar e compartilhar experiências em torno da cultura do vinho. E esse tipo de experiência turística é conhecida como turismo enológico (ou enoturismo). 

É curioso ver como o mundo do vinho nos fascina a tal ponto, que somos capazes de englobá-lo como uma atividade dentro das nossas férias.

Acontece que, por trás de uma taça de vinho, não há somente vinho. Há também paisagens; pessoas; gastronomia e, principalmente, muita história e paixão.

Isso é o que faz atrativo o setor do enoturismo: a possibilidade de desfrutar da nossa bebida favorita em um entorno icônico e relaxante.

Podemos dizer que o enoturismo é uma atividade relativamente recente, tanto que algumas regiões vitivinícolas apoiam o setor de maneira muito tímida, o que poderia ser considerado uma irresponsabilidade, porque esta ferramenta, hoje em dia, é imprescindível para a comunicação e divulgação dos vinhos.

Isso porque o enoturismo potencializa a riqueza vitivinícola da região, que por sua vez, interage de modo direto com outros tipos de turismo, como o gastronômico, o cultural, e o de “wellness”, gerando potentes sinergias.

Como surgiu o enoturismo?

Em Napa, no final de década de 1950, enquanto a maioria das bodegas continuavam sendo unicamente instalações destinadas à elaboração do vinho, um reduzido número de bodegas deu as boas-vindas ao público, ampliando suas instalações e serviços para além das áreas de produção.

As bodegas começaram com tours pelos vinhedos; eventos de harmonização entre comida e vinho e, é claro, catas dirigidas por profissionais especificamente treinados para aquela atividade, os quais expunham, com vocabulário acessível, as características e particularidades dos vinhos degustados.

Tudo isso foi potencializando o progressivo interesse que o neófito consumidor norte-americano de classe média mostrava pela cultura do vinho. Mas o grande impulso chegaria pelas mãos da Bodega Robert Mondavi, que transformou o desenho das bodegas.

Confira os melhores vinhos americanos na nossa loja

sociedade-da-mesa

Ele fez isso através de uma arquitetura que procurava ir além das capacidades produtivas da bodega.

Dando início não apenas ao enoturismo, mas também ao turismo industrial em geral, Mondavi dotou a sua nova bodega de salas de degustação; espaços para eventos e salões para seminários; cozinhas profissionais; galerias de arte e algo ainda mais chamativo: um amplo espaço para estacionamento de carros e ônibus de visitantes.

Enoturismo
Entrada da Bodega Robert Mondavi, na Califórnia (Foto: Yuichi Sakuraba/Flickr)

Foram muitas as bodegas no vale que seguiram o seu exemplo e se abriram para o público.

São muitas as propostas atualmente para fazer enoturismo. O que faz deste um modelo rico e dinâmico, que permite ser adaptado por diferentes regiões vitivinícolas onde, ocasionalmente, a gastronomia é uma ferramenta potente.

O mesmo pode ser feito em outras atividades na natureza, proporcionando simplesmente uma desconexão com nossa rotina do século XXI.

Quais são os principais atrativos do enoturismo?

Não podemos esquecer que, na origem, os principais atrativos do enoturismo são, fundamentalmente, o vinho e seus caminhos.

Um passeio entre os vinhedos para descobrir as condições e características de cada “terroir”, para terminar com uma visita à bodega, onde se desfruta da arquitetura e se aprende sobre o processo de elaboração do vinho, desde a vindima até o engarrafamento.

O enoturismo é uma oportunidade para que o aficionado aproxime-se da cultura e conhecimento do vinho.

Mas se existe algo que as bodegas devem entender, é que se trata de uma ferramenta de marketing que brinda a possibilidade da bodega se fazer conhecer; de ressaltar os valores e atributos; tanto os seus quanto os da região.

F-Series Pinot Noir 2017 | 35% OFF

Dessa forma, o enoturismo ajuda no posicionamento da bodega e influencia a percepção dos consumidores, para incrementar a venda direta, o comércio local e também outros produtos e regiões vitivinícolas, por um custo baixo.

Assim, o enoturismo é uma ferramenta que promete muito, e deve ser cada vez mais explorada como atitude positiva para incrementar a visibilidade das bodegas.

Texto: Alberto Pedrajo
Tradução: Paula Taibo

Faça parte do nosso clube: vinhos selecionados por uma rede mundial de especialistas, entregues na porta de sua casa, por preços até 40% abaixo dos praticados no mercado! Associe-se!

 

Confira os vinhos da Uva Chardonnay

vinho
França
Região: Borgonha
2018 / 750 ml / Branco
Vinho Branco Baudouin Millet Chablis 2018
R$ 295,80
MAIS DETALHES
vinho
Turquia
Região: Aegean
2018 / 750 ml / BRANCO
Vinho Branco Serafin Chardonnay 2018
R$ 372,00
MAIS DETALHES
vinho
Brasil
Região: Serra Gaucha
2020 / 750 ml / BRANCO
Vinho Branco Fausto Chardonnay 2020
R$ 67,00
MAIS DETALHES
vinho
Região: Languedoc
2019 / 750 ml / BRANCO
Vinho Branco Maison Pourthié Chardonnay 2019
R$ 98,00
MAIS DETALHES
vinho
Brasil
Região: Serra Gaucha
750 ml / ESPUMANTE
Vinho Espumante Garibaldi Chardonnay Brut
R$ 57,00
MAIS DETALHES