/Por Carolina Almeida

O consumo (e o público) do vinho mudou nos últimos anos. A pompa foi saindo de cena e a bebida vem sendo democratizada. Prova disso é o crescimento de um nicho capaz de deixar qualquer enófilo conservador de cabelo em pé: o vinho em lata. Febre nos EUA, foi introduzido pela Francis Ford Coppola Winery em 2004, que lançou o espumante em lata Sofia Blanc de Blancs.

Focada no público jovem, é uma proposta que agrada a todos os gostos e bolsos. Por aqui, a estreia foi feita pela Vivant Wines, com vinhos finos e secos naturais (sem adição de CO2) em três versões: tinto, com cabernet sauvignon e merlot; branco, com chardonnay; e rosé, com syrah e pinot noir.

Os blends foram selecionados pelo sommelier da equipe, Felippe Siqueira (com patente da Le Cordon Bleu de Paris), em parceria com a Vinícola Quinta Don Bonifácio, em Caxias do Sul (RS), para que a bebida se adaptasse ao recipiente.

De acordo com os sócios brasileiros, a ideia não é substituir as garrafas de vidro, mas introduzir o vinho em contextos informais, dispensando taças e saca-rolhas. Onde? Em festas, na praia, na piscina… A ordem é simplificar.