/Por Pedro Borg

O nome Cooper’s Hawk soa familiar? Se não, não se preocupe com isso. A rede de restaurantes/vinícola/clube de assinatura de vinhos não foi feita para o público intimamente ligado ao mundo da enologia, aquele que tem uvas favoritas, safras do coração e terroir prediletos.

A companhia foi inicialmente pensada para aqueles que gostam de tomar uma taça sem pensar muito em conceitos, serviço e outras variáveis. Na imprensa americana, é tratada como o “Starbucks do vinho”, ao apresentar uma proposta contemporânea e casual para um produto antes restrito ao mercado de luxo.

A Cooper’s Hawk foi fundada em 2005, na cidade de Orland Park, no estado americano de Illinois, por Tim McEnery. Atualmente, tem 34 restaurantes em dez diferentes estados dos EUA e fechou o último balanço, em 2018, com arrecadação de 282 milhões de dólares e lucros na casa dos 10 milhões.

É um dos maiores clubes de assinatura de vinhos do planeta, com a marca de mais de 375 mil assinantes. Para aumentar ainda mais os retornos, a Cooper’s Hawk vendeu uma porcentagem não divulgada da companhia para o fundo de investimentos Ares. O valor: 700 milhões de dólares. As projeções para o balanço de 2019 são de crescimento de 18% nas vendas.

Começo improvável

O tamanho da empresa hoje era algo impensável em 2001, quando McEnery começou a pensar na Cooper’s Hawk, cuja ideia nos primórdios era ser um brew pub dedicado a vinhos: assim como as casas de cerveja artesanal, o vinho seria feito no restaurante, com uvas cultivadas na Califórnia.

O estabelecimento ofereceria também uma cardápio completo de carnes e finger foods. Do plano original, manteve-se a ideia do cardápio completo, com opções variadas de pratos e preços, inspirados em outras redes de casual dining.

Porém a proposta sobre os vinhos cresceu, sendo necessário que a Cooper’s Hawk comprasse uma vinícola própria e uma central de engarrafamento de 11,6 metros quadrados para produzir os mais de 10 milhões de garrafas dos 37 rótulos de vinhos que a empresa oferece em suas casas.

Ambiente tranquilo, aprendizagem leve

Com o intuito de trazer outra abordagem ao ato de beber vinhos, a Cooper’s Hawk precisou se adaptar ao novo público que buscava cativar. Como primeira medida, a empresa colocou suas garrafas em uma faixa de preço de 30 dólares, meio-termo entre opções baratas e vinhos premium.

Ela também simplificou a descrição dos rótulos usando apenas uma palavra para defini-los, como amadeirado ou leve. A Cooper’s Hawk também não tem medo de fechar parcerias e linhas especiais, como com a Screen Actors Guild (sindicato dos atores dos Estados Unidos) ou com o diretor de cinema
Francis Ford Coppola.

A nova empreitada da companhia visa às grandes metrópoles, uma vez que todas as unidades da franquia ficam em subúrbios e cidades menores. A primeira unidade “urbana” da Cooper’s Hawk é também a maior das 39 lojas da marca: um restaurante de três andares e 2.200 metros quadrados no centro de Chicago, que começou a funcionar em 11 de novembro de 2019.

O local foi pensado para ser a grande vitrine da empresa e, para tal, conta com algumas diferenças em relação ao resto da rede, como a presença de vinhos fora do catálogo da marca.

Por coincidência, alguns quarteirões de distância da gigante loja da Cooper’s Hawk está o maior Starbucks do planeta, também recém-inaugurado e também pensado para ser o estabelecimento-modelo de uma marca que busca popularizar uma bebida que há muito era considerada inacessível. Talvez não tenha sido tanta coincidência assim.