/Por Marjorie Zoppei

Para valorizar seu vinho, entenda o que está por trás dos diferentes modelos de cálices — e o que deve ser servido em cada um deles.

Taça Borgonha

De bojo largo e boca estreita, é indicada para vinhos mais complexos. Boa para ampliar características sutis de certas uvas, como a pinot noir.

Taça Bordeaux

De bojo alongado e borda mais fechada, é ideal para tintos encorpados e com muitos taninos, como cabernet sauvignon, merlot e syrah.

Taça ISO

Um coringa nas degustações, serve para todos os tipos de vinho: do branco leve ao tinto encorpado. Inclusive, é usada em avaliações técnicas.

Taça de vinho branco

Com um bojo menor do que a taça para tintos, serve para manter a temperatura da bebida baixa. A haste mais longa reduz o contato das mãos quentes com o bojo.

Taça de branco encorpado

Por ser mais rico e denso, amadurecido em barris de carvalho, a bebida pede um bojo de borda larga para valorizar os aromas.

Taça de espumante

Chamada de flûte (flauta em francês), tem o formato alongado e o bojo, estreito. Feita para manter a elegância da perlage até o último gole.