/Por Ana Beatriz Miranda

Conhecida por sua delicadeza e elegância, a Pinot Noir é uma uva que gera vinhos muito característicos.

Mesmo quem não é especialista em enologia é capaz de identificar a expressão dessa casta na taça, por sua coloração mais suave e sabores sutis. 

A Pinot Noir é uma das variedades de mais difícil cultivo, por ser frágil e vulnerável, mas muitos países produtores tiveram sucesso em plantá-la, como:

  • Estados Unidos,
  • Brasil,
  • Austrália,
  • Nova Zelândia,
  • Chile
  • e África do Sul,

Além da sua terra natal, a Borgonha, na França, onde ela atinge seu máximo potencial.

Características da uva Pinot Noir

A uva Pinot Noir tem mais qualidade quando é resultante de menor produtividade do vinhedo, com cachos menores e frutos mais concentrados.

Ela apresenta casca fina e é pequena, gerando vinhos de sabores peculiares, de diversos tipos, inclusive brancos — quando vinificadas sem contato com a casca — e espumantes, como o célebre champagne.  

Aromas e sabores da Pinot Noir

De maneira geral, os vinhos mais jovens de Pinot Noir têm aromas de frutas como amora, framboesa, cereja, além de flores, ervas e especiarias.

Quando mais envelhecidos também trazem frutas em compota, cogumelos e até couro. 

A região em que ela é cultivada faz toda a diferença nas características que os exemplares apresentarão.

Lugares de climas frios, como a Borgonha, originam vinhos mais aromáticos e com acidez perceptível, enquanto os climas mais quentes geram uma bebida com menos frescor e mais presença de frutas maduras.

Um Pinot Noir tradicional borgonhês geralmente tem corpo de leve para médio, textura macia, com taninos discretos e acidez agradável.

Essa uva não origina vinhos muito longevos, sendo feitos para consumo em poucos anos.   

Sem dúvida, é uma uva que todo apaixonado por vinho precisa conhecer, variando os países produtores para identificar as diferenças proporcionadas pelo terroir e, claro, sem deixar de provar um clássico Pinot Noir da Borgonha.