Saudações à Pinot Noir, essa uva tão maravilhosa, misteriosa e complexa, como a definem na Borgonha, sua terra natal.

Também é conhecida por ser caprichosa e difícil de ser cultivada, mas que se espalhou pelo mundo por produtores fascinados pela capacidade dela de expressar fielmente o terroir.

Para celebrar o Dia Mundial da Pinot Noir, a Sociedade da Mesa apresenta três exemplares elaborados com essa variedade, numa pequena viagem por três origens diferentes, mostrando perfis únicos e surpreendentes.

1. Esqueça as experiências óbvias e encante-se com o Nahe Treu Pinot Noir 2018.

Um tinto alemão da região de Nahe bastante especial.

Você vai encontrar algum tanino e um frescor delicioso na boca.

Aromas picantes e com muita especiaria, além do frutado típico, revelam a personalidade peculiar deste vinho.

2. Não podíamos deixar de apresentar um exemplar francês, mas que foge do modelo tradicional: o Seaside Cellars Pinot Noir 2018.

Produzido na região do Sudoeste a partir de vinhedos cultivados próximos ao oceano Atlântico, nos transmite toda a leveza, o frescor e os aromas delicados do seu terroir de origem.

Por fim, um nobre exemplar da Nova Zelândia, onde a pinot noir parece ter encontrado

Um lar especial, revelando expressões de alta qualidade.

3. Estamos falando do Ribbonwood Pinot Noir 2016.

Um tinto leve e elegante, frutado, mas também distinto pelos aromas agregados durante os 8 meses de amadurecimento em barris de carvalho.

Para explorar o máximo desta cepa, eu sugiro ficar com os três.

Mas, se não der, prove um rótulo que seja da sua preferência.

Juntos, façamos um brinde a essa uva apaixonante

Saúde!