/Por Ana Beatriz Miranda

Muito além da riqueza de aromas e sabores, o vinho engloba um mundo de histórias, culturas, regiões e uvas. Sendo uma das bebidas mais ricas — e antigas — que existem, é claro que não faltam tipos de vinhos, todos produto da fermentação alcoólica das uvas da espécie Vitis vinifera. Entre eles há tinto, branco, rosé, frisante, espumante e licoroso (fortificado). Saiba mais sobre cada um. 

Tipos de vinhos 

Vinho tinto

O vinho tinto é a preferência mundial. Existem uma infinidade de estilos de tintos, desde os fáceis de beber, de consumo imediato, até os muito complexos e cheio de camadas aromáticas. O que traz a sua cor característica, de vermelho a violeta, é o tempo em que a bebida fica em contato com as cascas da uva. Os taninos também estão presentes nas cascas e, por isso, o vinho tinto é o que mais apresenta esse composto químico que traz a sensação de adstringência em boca.  

Vinho branco

No caso do vinho branco, durante a sua elaboração, as cascas das uvas são retiradas. Por isso, sua coloração varia de amarelo-palha a dourado, já que não há contato com as antocianinas presentes nas cascas, pigmentos responsáveis pelo vermelho dos tintos. Os brancos praticamente não têm presença de taninos, mas possuem bastante acidez, que ao contrário dos taninos estimula a salivação.  

Vinho rosé

O vinho rosé possui a coloração de rosa claro ao cereja porque são produzidos com certo contato com as cascas da uva, embora o tempo seja menor que dos tintos. Há outros métodos de elaboração, inclusive misturando-se um vinho branco com um tinto, apesar de ser proibido em alguns países produtores. Em boca, os rosés mostram mais acidez do que taninos. 

Frisante

O frisante é um tipo de vinho com borbulhas, mas que passa por apenas uma fermentação, diferentemente do espumante. Ele tem perlage mais delicada e menos abundante, é normalmente muito agradável ao paladar, sendo festivo, versátil e descomplicado. 

Espumante

O espumante apresenta abundância de gás carbônico que aparecem como borbulhas na bebida. Esse tipo de vinho passa por duas fermentações e pode ser tinto, branco e rosé. É sinônimo de celebração e requinte, muito presente nos mais diversos tipos de eventos. 

Licoroso

O vinho licoroso também é chamado de fortificado e apresenta alto teor alcoólico pelo acréscimo de álcool vínico em sua elaboração. Ele atinge de 14% a 18% em volume, segundo a nossa legislação. Cada país produtor tem sua própria regulação quanto ao teor alcoólico do vinho licoroso. Se você pensou no “vinho de sobremesa”, sim, ele é um vinho licoroso, embora o termo não exista oficialmente. Os vinhos licorosos mais conhecidos são os do Porto, Madeira, Marsala, Jerez e Late Harvest. 

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!