/Por Tânia Nogueira

Muita gente pode não estar preparada para isso, mas o vinho em lata veio para ficar. É a grande tendência que vem da Califórnia. Tudo começou em 2004, quando a Francis Ford Coppola lançou o espumante Sofia Blanc de Blancs em lata. Apesar de a vinícola do famoso diretor de cinema ter prestígio, na época muita gente torceu o nariz para a novidade.

Porém, aos poucos, as pessoas foram se acostumando com a ideia e surgiram novos lançamentos, não só na Califórnia, mas no mundo todo. Tanto que, em 2019, foi criado um concurso só para vinhos em lata, o International Canned Wine Competition

Na edição de 2020, o concurso recebeu 226 amostras de 70 produtores de 16 países diferentes. Dois brasileiros saíram premiados. A Vivant recebeu uma medalha de ouro pelo design da série de suas latas e a Arya três medalhas de ouro por seus vinhos tinto, branco e prosecco. “O rosé não deu tempo de mandar”, diz Daniel Gambardelli, sócio da DistillRuptive, empresa que, além dos quatro rótulos do Arya, produz drinques enlatados. 

Foi uma bela estréia. Gambardelli e o sócio, Diego Aimore, lançaram o Arya em março deste ano, em plena pandemia. “Em outubro do ano passado, quando a gente ainda estava finalizando a receita do Bakko (marca de drinques em lata), a gente começou a ver um movimento de vinho em lata crescendo muito lá fora.

Pensávamos em um dia fazer um vinho em lata, mas vimos que ou a gente lançava agora ou perderíamos o timing. Aí, fomos atrás do melhor sommelier do Brasil, o Diego Arrebola, três vezes campeão, para nos ajudar a criar o produto e orientar a produção que seria feita no Rio Grande do Sul.” Foi um sucesso. O primeiro lote vinho, que é feito em Caxias do Sul, foi produzido com a safra 2019. Esgotou. Todos os 10 mil litros produzidos foram vendidos. Agora eles já estão lançando a safra 2020. “Produzimos um lote maior”.

Como um produto para balada conseguiu se dar bem em tempos de isolamento social? “O Arya não é só para a balada”, diz Gambardelli. “Não queremos definir perfil do consumidor nem situação de consumo. É um vinho para todo mundo”. Por que em lata? “A lata é o vasilhame mais sustentável do mundo”, diz ele.

“A taxa de reciclagem do vidro no Brasil é de 30% a 40%. A da lata é 97%. Vidro é 100% reciclável também, mas existe uma diferença entre o que é reciclável e o que é efetivamente reciclado. O prazo médio que uma lata demora para voltar para a linha de produção é de 90 dias. A escolha da lata foi por uma questão de sustentabilidade”.

Segundo Diego Arrebola, a lata não interfere com as características organolépticas do vinho. “São latas específicas para bebidas com pH mais baixo, revestidas internamente por um polímero que impede o contato direto do vinho com o alumínio”, diz Arrebola. O sommelier foi responsável pelas assemblages dos quatro vinhos, ou seja, foi ele quem decidiu pelo corte de pinot noir e rebo para a safra 2019 do tinto, por exemplo. 

“A rebo produz vinhos retintos, muito frutados, com acidez suculenta e marcante e taninos marcados porém macios e educados, lembrando castas como a vinhão, a teroldego e a barbera”, diz Arrebola. “Ela me entrega características aromáticas e de sabor que julgo adaptadas a proposta do vinho em lata, entregando esse frescor e fruta intensa, pensando em um vinho que será muitas vezes consumido diretamente na lata e precisa, portanto, ter muita presença de boca. A pinot em 2019 entrou, para ‘domar’ a rebo, dando mais elegância e delicadeza ao resultado final.”

“A safra 2020 já é um corte de pinot noir, merlot e, apenas, cerca de 10% de rebo. A rebo foi usada em menor quantidade unicamente porque temos volumes maiores de produção e não havia disponibilidade de tanta rebo no Brasil. Mas os vinhos da excelente safra 2020 nos permitiram alcançar um resultado tão bom quanto, senão superior, ao de 2019”, completa.

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!