/Por Tânia Nogueira

O consumidor de vinhos finos que prefere os secos costuma se assustar com a informação no contrarrótulo de que o vinho é meio seco. Não necessariamente, no entanto, isso significa que o vinho parecerá doce na boca. Na maior parte dos vinhos finos, todo o açúcar é residual, ou seja, açúcar natural da fruta que não chegou a ser fermentado.

O teor de açúcar é o que determina se o vinho será classificado como seco, meio seco (ou demi-sec) ou doce (ou suave). E, no caso dos espumantes, nature, extra-brut, brut, sec (ou seco), demi-sec (ou meio doce ou meio seco) ou doce. Mas em cada país essa classificação é diferente. 

O Brasil é um dos países que tem um dos limites mais baixos. Aqui um vinho pode ter, no máximo, 4 gramas de açúcar por litro para ser considerado seco. Na Europa, o limite são 9 g/l para vinhos com acidez média. Se a acidez for elevada, esse limite pode subir. Em vinhos importados comprados no Brasil, no contrarrótulo, a classificação que aparece é a brasileira. No Brasil, os vinhos rotulados como meio secos podem ter até 25 g/l. Mas muitos deles têm 4,5 g/l ou 5 g/l. Ou seja, na Europa são considerados secos. 

Além disso, a sensação de boca não é só determinada pelo teor de açúcar. O tipo de açúcar faz diferença. Naturalmente um vinho tem vários açúcares. Glicose e frutose são os principais. A frutose é duas vezes mais doce que a glicose. E o grau de acidez do vinho também interfere na percepção. Alguns rieslings alemães, por exemplo, têm um teor alto de açúcar, mas não se percebe já que são muito ácidos.

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!