A doença arterial coronariana, a forma mais comum de doença cardíaca, é causada pelo acúmulo de gordura nas paredes das artérias, um processo conhecido como aterosclerose. Pode levar a ataques cardíacos e derrames. Mas um estudo recente da Universidade de Barcelona descobriu que o consumo moderado de jerez estava relacionado à redução da pressão arterial e à restauração da função arterial.

Os cientistas há muito debatem se o vinho oferece maiores benefícios do que outras bebidas alcoólicas. Os compostos polifenólicos do vinho oferecem benefícios especiais? Ou é apenas o etanol?

Os benefícios do vinho branco para a saúde costumam ser ofuscados pelos do vinho tinto, devido aos maiores teores de resveratrol e outros polifenóis . Mas este estudo, publicado na Clinical Nutrition , descobriu que os polifenóis do jerez, um vinho fortificado feito de uvas brancas e envelhecido por pelo menos três anos, contribuíram para a saúde cardiovascular.

Os pesquisadores de Barcelona conduziram a pesquisa com 38 voluntários do sexo masculino, com idades entre 55 e 80 anos. Todos os participantes bebiam álcool moderadamente e tinham três ou mais dos seguintes fatores de risco: fumante ativo, hipertensão, colesterol alto, obesidade e / ou histórico familiar de doença cardiovascular. Do total de participantes, 92% foram classificados como obesos, 71% como hipertensos, 23% como diabéticos tipo 2 e 13% como fumantes.

Os resultados foram medidos de várias maneiras. Antes e depois do período de três semanas de consumo de álcool, uma enfermeira mediu a pressão arterial e coletou amostras de sangue e urina dos participantes. Os pesquisadores estavam procurando no sangue a expressão de células progenitoras endoteliais (EPCs), que atuam como um mecanismo de defesa ao se anexar às paredes das artérias danificadas e reparar e restaurar sua função. O consumo total de vinho foi medido através das concentrações de ácido tartárico encontradas nas amostras de urina.

Os resultados mostraram um aumento de 40% na expressão de EPC após a ingestão de jerez, enquanto os bebedores de gim não mostraram nenhum efeito significativo. Os participantes do grupo do vinho também viram os valores da pressão arterial sistólica e diastólica diminuir em 3% e 4%, respectivamente. O grupo do gim viu efeitos muito diferentes: um aumento de 0,7% no colesterol total e um aumento de 10% no colesterol LDL.

“Como não houve mudanças na ingestão alimentar, os principais efeitos antiinflamatórios observados neste estudo podem ser atribuídos principalmente aos polifenóis no vinho branco envelhecido”, escreveu o autor principal da pesquisa, Ramón Estruch. “Essas descobertas, junto com nossos resultados, sugerem fortemente que a fração de polifenol ou outros componentes menores do vinho podem ser responsáveis ​​por diminuir a inflamação.”