“Do alto Alentejo, um tinto português frutado”

Lucas Cordeiro

Os vinhos do Alentejo estão entre os portugueses mais conhecidos no Brasil.

Eu costumo, inclusive, sugerir os rótulos dessa região para quem gosta muito de vinho sul-americano, mas quer iniciar-se nas garrafas do Velho Mundo. 

O Alentejo é de clima quente, o qual resulta em bebidas com aromas de frutas maduras, taninos macios e teor alcoólico elevado, guardando assim alguma semelhança com algumas áreas sul-americanas do Chile e da Argentina.

Mas a região portuguesa não é exatamente homogênea e pode ser dividida em baixo e alto Alentejo.

  • Com mais altitude, o alto Alentejo tem um clima um pouco mais ameno, preservando a acidez natural das uvas – no final, gera vinhos com maior equilíbrio entre álcool e acidez, mais elegantes.

É justamente isso que encontramos no Portalegre Terras De Baco 2017.

Ele é um blend de três uvas típicas (trincadeira, aragonez e castelão).

Produzido pela Adega de Portalegre, uma vinícola localizada em meio ao Parque Natural da Serra de São Mamede, em pleno alto Alentejo, marcando fronteira com a Espanha, e a uma altitude de 600 a 700 metros, o que dá o diferencial climático que se reflete no estilo redondo e agradável deste vinho. 

Sem amadurecimento em carvalho e focado na expressão das uvas, este tinto traz:

  • simplicidade,
  • equilíbrio
  • e harmonia como assinatura.

Uma definição perfeita dada pela própria vinícola.

E eu acrescento que ele é versátil, do tipo que agrada a conhecedores e iniciantes, sendo perfeito para apreciar em ocasiões como um churrasco com familiares e amigos.

Abraços e boa degustação!