“Um tinto e a arte da assemblage” 

Lucas Cordeiro

A arte e ciência de misturar vinhos de duas ou mais uvas (até mesmo de vinhedos, técnicas de vinificação ou safras diferentes) geram os exemplares que denominamos como vinhos de:

  • “assemblage”,
  • “blend”
  • ou “corte”.

De modo geral, busca-se aproveitar as características de cada variedade para, de forma complementar, elaborar um vinho de melhor qualidade ou no mínimo singular.

Para quem tem dúvidas se essa prática resulta mesmo em vinhos de qualidade basta citar alguns exemplos, como os vinhos franceses de Bordeaux e os espanhóis de Rioja – que são, em uma esmagadora maioria, misturas de vinhos de uvas diferentes.

Podemos citar também os espumantes de Champagne e os fortificados Vinhos do Porto, cujos exemplares que não informam a safra são misturas não só de uvas diferentes, mas também de vinhos de várias safras.

Seja no caso dos vinhos mais acessíveis, seja no dos mais complexos e de grande personalidade, essa prática pode nos apresentar belas surpresas.

É o caso do nosso Valle de Luna Winemaker Selection Red Blend 2018, um blend originário da Argentina, tão conhecida pelos seus vinhos monocasta (elaborados com uma única variedade de uva), principalmente os de Malbec.

Embora no nosso exemplar predomine a Malbec, a mistura com uma pequena quantidade de Bonarda e a “pincelada” com a variedade Ancellotta fazem toda a diferença.

  • Acrescentando um delicado e encantador toque picante aos intensos aromas de frutas do vinho.
  • Também soma maior frescor ao paladar de estrutura suave, com textura macia e saborosa.

Abraços e boa degustação!