Localizada na província de Asti, a nova Terre Alfieri DOCG, em Piemonte (Itália), está focada em duas variedades de uvas, Arneis para vinhos brancos e Nebbiolo para tintos.

A homologação oficial foi concedida a partir de outubro deste ano, informou o Consorzio Barbera d’Asti e Vini del Monferrato , que regulará a produção.

DOCG, ou Denominazione di Origine Controllata e Garantita, é o nível mais alto no sistema de classificação de vinhos da Itália .

Terre Alfieri ganhou o status de DOC em 2009 e deve o seu nome ao conde Vittorio Alfieri, poeta e dramaturgo nascido em Asti em 1749, de acordo com o Consorzio.

Embora a produção seja pequena, descreve o Terre Alfieri como “um nicho enológico de grande importância”. Fica a sudoeste de Asti e cobre 11 municípios. Sete estão na província de Asti: Antignano, Celle Enomondo, Cisterna d’Asti, Revigliasco, San Damiano, San Martino Alfieri, Tigliole.

Os outros quatro estão na fronteira com a província de Cuneo: Castellinaldo, Govone, Magliano Alfieri e Priocca.

“Este é um resultado que enriquece não só a gama de nossos DOCGs, mas também toda a nossa cena de vinho”, disse Filippo Mobrici, presidente do Consorzio Barbera d’Asti e Vini del Monferrato. “Esperamos que a Terre Alfieri possa ter o mesmo sucesso de outras denominações de origem controlada e garantida, como Barbera d’Asti, Nizza e Ruchè di Castagnole Monferrato.”

Existem regras sobre a produção, incluindo rendimento e tempo de envelhecimento, que devem ser seguidas pelas vinícolas que usam o nome Terre Alfieri DOCG.

Tanto para o Terre Alfieri Nebbiolo como para o Terre Alfieri Arneis, o mosto de uva declarado constitui pelo menos 85% do vinho.

Para o vinho ‘Superiore’, Arneis deve ser envelhecido por seis meses, enquanto Nebbiolo deve ser envelhecido por 12 meses com pelo menos seis em barris de madeira. Existe também um nível de Nebbiolo Riserva, que requer 24 meses de envelhecimento, incluindo pelo menos 12 meses em barricas de madeira.