/Por Erwane Kaloudoff

Você precisa renovar sua adega, está diante de uma prateleira com muitas opções de vinhos e não sabe qual escolher. A dúvida: quais são os indicadores de um bom vinho? Preço? Medalhas? Pontuações altas? Rótulo chamativo? Um vinho “envelhecido em barris de carvalho” é melhor do que os outros?

Para responder a esta última pergunta, você deve entender o que significa o termo “envelhecido em barris de carvalho”.

Falamos do envelhecimento do vinho em barricas de carvalho quando o enólogo opta por colocar o seu vinho em barris, depois de terminada a fermentação, para trazer novas características ao vinho.

Ao contrário do envelhecimento em tanques de inox ou concreto, que são mais herméticos, o envelhecimento em barricas de carvalho permite as trocas entre o ar e o vinho. No final, o vinho fica mais encorpado e mais expressivo, redondo e fácil de beber, com aromas característicos de torra, pão, defumado, caramelo, baunilha, amêndoa, entre outros. A intensidade desses aromas impregnados no vinho depende do tempo do estágio em barris, do tipo de tostagem e da origem do carvalho (americana ou francesa).

Variedades de carvalho

Várias espécies de madeira foram testadas para preservação do vinho, mas nenhuma delas oferece as características do carvalho – o qual também se divide em diversas variedades. Os mais usados ​​vêm da França e dos Estados Unidos. 

Na França, as florestas de carvalho mais prestigiadas são Allier e Tronçais. Estas florestas produzem um carvalho de grão estreito (carvalho séssil) que promove uma difusão lenta dos aromas. Na floresta de Nevers, na Borgonha, é produzida uma casta de carvalho de grão médio, cuja principal característica é libertar aromas de baunilha e promover o equilíbrio do vinho. 

O barril de carvalho americano é feito de carvalho branco (Quercus alba). É recomendado para criação de curto prazo. Sua contribuição tânica é inferior à dos barris de origem francesa, mas é conhecido por trazer maior complexidade aromática. Um barril de carvalho americano é mais barato do que um barril francês, em parte porque pode ser serrado em vez de ser dividido. Portanto, há menos perdas.

Os diferentes tipos de aquecimento

Na tanoaria, o aquecimento da lenha é essencial. O principal objetivo é dobrar as aduelas para dar forma ao barril. Outra razão é tornar a madeira impermeável. Mas tem mais: dependendo do estilo de vinho que o enólogo deseja produzir, ele escolherá um tipo específico de torra.

Assim, uma barrica que sofreu um leve aquecimento é utilizada principalmente para vinhos brancos e para tintos muito concentrados que necessitam mais frescura. O barril típico da Borgonha é moderadamente torrado; sua principal característica é a contribuição em gordura e doçura. Um tostado mais longo destina-se aos vinhos tintos pela sua contribuição estrutural e pela sua contribuição aromática.

Os tipos de barris

Além da variedade de carvalho, dependendo da região, são utilizados barris de diferentes capacidades. A capacidade do barril tem influência, pois quanto maior o barril, menos o líquido entra em contato com a madeira. 

Barris novos ou usados

Barricas novas têm um impacto maior no vinho do que barricas usadas. Os barris novos são usados ​​com mais frequência para grandes vinhos, enquanto os barris usados ​​são usados ​​para vinhos de qualidade inferior. Um barril com mais de quatro ou cinco anos tem muito pouco efeito no vinho. Às vezes acontece que parte do vinho envelhece em barricas novas e outra parte em barricas usadas. Assim, o mestre da adega poderá montar o seu vinho como um chef confecciona uma receita com ingredientes diferentes. 

Quanto custa um barril

Um barril de carvalho francês novo custa em torno de 750 dólares a 850 dólares. Os barris de carvalho americano são 75% a 80% mais baratos. Pelo preço de cada barril de qualidade, é entender por que os produtores de vinho tentam tornar o trabalho mais lucrativo reutilizando barris. Algumas casas, como os grandes Châteaux de Bordeaux, só usam barricas novas e depois vendem as barricas a outros produtores menos afortunados, minimizando assim o impacto financeiro.

Uma dica para concluir

Fuja das garrafas muito baratas cujo rótulo menciona “envelhecido em barricas de carvalho”. É provável que ela esconda um vinho de qualidade muito baixa. Além disso, alguns viticultores, para vinhos vendidos a preços baixos, dão um sabor artificialmente amadeirado ao vinho, usando a tecnologia de lascas de madeira. A barrica se torna um argumento qualitativo para vinhos um pouco mais caros, quando escolhida para confeccionar um vinho mais redondo, mas encorpado e expressivo, que pode ser guardado.

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!