/Por Ana Beatriz Miranda

Entre tantos efeitos que o vinho nos proporciona, um muito comentado é a sonolência que a bebida traz. Será que realmente o vinho dá sono? E se dá, o que causa? Sim. O vinho realmente faz a gente dormir melhor, desde que seja consumido moderadamente.

Isso porque uma quantidade maior que duas taças da bebida pode causar o efeito inverso, por causa do álcool. Na medida certa, o álcool tem efeito sedativo e induz o sono. Se for consumido em excesso, ele nos deixa em estado de vigília.

Além do efeito do álcool, cientistas descobriram que alguns tipos de uvas têm melatonina em suas cascas, sementes e polpas. A melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo organismo que contribui para uma melhor qualidade do sono.

Ele diminui o tempo necessário para dormirmos e aumenta as horas de sono. Os vinhos tintos são elaborados em contato com as cascas das uvas. Portanto, eles têm mais melatonina e dão mais sonolência.  

Entre as uvas tintas, ainda existem as que possuem uma maior quantidade de melatonina. A Nebbiolo, por exemplo, é uma das que mais tem. Os vinhos elaborados com ela, como os Barolos e Barbarescos, induzem melhor o sono do que um feito com a Cabernet Franc, que tem baixa concentração de melatonina. Cabernet Sauvignon e Merlot apresentam uma boa quantidade do hormônio, embora não tanto quanto a Nebbiolo.

Os vinhos brancos são elaborados sem contato com as cascas da uvas e, por isso, não induzem o sono tanto quanto os tintos. Porém, como toda bebida alcoólica, só por ter álcool já dá sonolência, se bebido moderadamente.

Vinhos rosés têm certo contato com as cascas e apresentam mais melatonina que os brancos. Então vinho dá sono, sim. Mas apenas se for apreciado com moderação.