/Por Ana Beatriz Miranda

Quando o assunto é harmonização, há muitos mitos, várias verdades e diversas convenções. Uma das mais conhecidas é que carne vermelha combina com vinho tinto e peixe com vinho branco. Mas será que não existem exceções? É claro que sim! D´á para harmonizar peixe e vinho tinto, por exemplo.

Primeiramente, é preciso saber que nosso paladar é extremamente particular. O que é harmônico para uma pessoa pode não ser para outra. Então, por mais que existam as harmonizações certeiras, exaustivamente testadas, ainda assim é nosso gosto que vai comandar a combinação entre comida e vinho.

Então fica bom harmonizar peixe e vinho tinto? Depende da estrutura da receita. O segredo de uma boa combinação é equilibrar o peso do prato com o da bebida. Para que um não se sobreponha ao outro. Em Portugal, por exemplo, é muito comum harmonizar bacalhau com vinho tinto.

E de onde vem a ideia de que peixe e vinho tinto não combinam? Há um fundo de verdade aí. Os taninos combinados com o iodo presente nos peixes marinhos dão uma sensação de metal na boca. Por isso é importante avaliar o corpo da receita e da bebida. Aposte nos tintos leves!  

Peixes leves grelhados ou assados

Os ingredientes e o modo de preparo do peixe é que ditarão as regras. Receitas de peixes mais sutis grelhados ou assados com tomate, azeite e legumes pedem tintos levinhos, com pouco álcool, pouco tanino e boa acidez. Pinot Noir do Novo Mundo ou da Borgonha, exemplares de Gamay ou blends franceses para o dia a dia são excelentes escolhas.

Peixes gordurosos e receitas estruturadas

Receitas que levam atum e salmão, lula e lagosta suportam tintos mais encorpados. Vinhos de Pinot Noir de regiões quentes, Cabernet Franc, Merlot, Mencía, Dolcetto d’Alba e Baga, uva autóctone portuguesa, são boas opções. Desde que não passem por estágios longos em barricas