/Por Ana Beatriz Miranda

A uva Marselan não é uma Vitis vinifera natural. Ela foi criada em laboratório, assim como a Pinotage. É uma casta tinta muito interessante, versátil e intensa. Em 2021, Bordeaux passou a permitir seis novas uvas em seus blends AOC Bordeaux e Bordeaux Supérieur, e a Marselan é uma delas.

Origem da Marselan

A Marselan foi criada na França, perto de Marselha (Marseillan). O nome é uma referência à cidade. O ampelógrafo (botânico especializado em videiras) francês Paul Truel trabalhava no INRA (Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica da França), em 1961, e estava em busca de uma variedade que rendesse muitos cachos e que, ao mesmo tempo, fosse resistente a temperaturas mais elevadas.

Assim, ele fez o cruzamento da Cabernet Sauvignon com a Grenache e obteve a Marselan. A uva recém-criada atendia às expectativas e tinha as características desejadas, mas seu destaque no mundo do vinho demorou para acontecer.

Apenas cerca de três décadas depois, a Marselan começou a ser mais cultivada e apreciada. Por causa de sua resistência, ela se adaptou perfeitamente aos terroirs do Vale do Rhône e de Languedoc-Roussillon, ganhando o paladar de enófilos franceses e também do mundo todo.  

Características

A Marselan tem coloração profunda e aromas bem peculiares de frutas vermelhas frescas e cacau. Seus sabores são intensos, os vinhos costumam ter corpo médio e uma boa expressão de taninos. Inclusive, são seus aromas e sabores inusitados que a tornaram um sucesso nos últimos anos.

Ela é muito usada em blends, mas também aparece em varietais surpreendentes. São bebidas saborosas e ótimas para harmonizar. Combinam com receitas que levam embutidos, massas à bolonhesa e suculentos cortes de carne suína.

Apesar de nascida e criada na França, a Marselan se adaptou perfeitamente em outros países produtores, sobretudo em regiões de clima mais quente, como Argentina, Uruguai, Brasil, Estados Unidos e Espanha.