/Por Ana Beatriz Miranda

As expressões vinho encorpado, vinho leve, vinho estruturado são comuns quando nos aprofundamos no mundo dessa bebida. Todas elas se referem ao corpo do vinho. Mas, afinal, o que isso quer dizer?

Embora soe meio abstrato, o corpo do vinho não é difícil de ser percebido. Trata-se da sensação de peso, de densidade que ele faz na boca. O iogurte, por exemplo, tem mais estrutura no paladar, mais textura. Já um copo de água flui com mais facilidade, traz uma sensação de leveza no palato. Isso é o corpo do líquido.

No mundo do vinho, essas percepções são mais sutis. É uma questão de treino para identificar o peso da bebida na boca. São vários os fatores que interferem no corpo. Álcool, taninos, acidez e açúcar são os principais deles.

Vinhos com alto teor alcoólico trazem mais calor e peso no paladar. Por isso, são mais encorpados. O mesmo vale para os taninos. Um exemplar muito tânico também será mais estruturado. Seja pela concentração natural das uvas ou pela influência da barrica de carvalho.

Com relação ao açúcar residual, quanto maior quantidade, mais robusto será o vinho. Então os rótulos adocicados são mais encorpados. O único fator inversamente proporcional é a acidez. Vinhos mais ácidos são mais leves.

Os tipos e o corpo do vinho

Vinhos leves

São considerados leves os vinhos mais fluidos na boca, que escorregam facilmente e não persistem. Os exemplares mais refrescantes, com maior acidez, se enquadram nesse perfil. Brancos, tintos, rosés e espumantes com baixo teor alcoólico e acidez marcante. Geralmente, sem amadurecimento em madeira e de safra recente.

Vinhos de médio corpo

Os vinhos de médio corpo, também chamados de bom corpo, são os mais comuns. Rótulos de potencial alcoólico entre 12,5 e 13,5% em volume, que tem certo peso na boca, mas ainda fluem bem. São os mais versáteis e fáceis de harmonizar.

Vinhos encorpados

Os vinhos encorpados são os mais densos, quase viscosos. Ao servi-los dá para notar sua viscosidade, sua textura. São exemplares mais alcoólicos, a partir de 13,5%, mais tânicos e com mais açúcar residual. Eles pesam na boca, têm presença persistente e são majoritariamente tintos. Porém, há brancos envelhecidos em madeira que se enquadram como vinhos encorpados.

Vinhos pesados

Os vinhos pesados são ainda mais estruturados do que os encorpados. Chegam a causar certo desconforto ao paladar. Normalmente são vinhos desequilibrados, com potencial alcoólico muito alto.