/Por Carolina Almeida

Uma análise realizada por uma rede de supermercados inglesa, em parceria com a Universidade de Oxford, mostrou que, dos 2 mil consumidores entrevistados, 34% classificaram uma garrafa de 10 libras com a imagem de um château francês no rótulo como a mais cara. Só 15% acertaram qual era, de fato, a garrafa de maior valor.

Os mesmos participantes também realizaram uma degustação às cegas: nela, não conseguiram diferenciar um vinho de 6 libras de um de 36 libras. O psicólogo alimentar de Oxford, Charles Spencer, afirmou que o comportamento de compra, usando o preço como fator de qualidade, “pode custar milhares de dólares ao longo da vida”.