/Por Carolina Almeida

Cerca de 75 vinícolas do Napa Valley, a região de vinhos mais tradicional dos Estados Unidos, estão participando de um experimento da Humboldt State University para controle biológico de pragas.

No lugar de pesticidas, as casas instalaram caixas com ninho de coruja no meio das plantações de uva – já são mais de 300 –, para atrair essa e outras aves de rapina, em especial a coruja-das-torres, que se alimentam dos roedores que atacam as vinhas.

Estima-se que cada coruja-das-torres possa comer 3.400 roedores por ano. A iniciativa, além de sustentável, também é mais barata: custa menos de 1 dólar por roedor, enquanto as armadilhas gastam cerca de 8 dólares por animal.

“Você pode colocar uma caixa de ninho de coruja no local exato onde acha que há roedores e… voilà! As corujas vão começar a usar essa área”, afirmou o ornitólogo John C. Robinson à revista Bay Nature Magazine.

Em Napa, 80% dos vinicultores afirmam estar convencidos de que as corujas ajudam a controlar as pragas, especialmente depois de o Departamento de Regulamentação de Pesticidas da Califórnia limitar, desde janeiro de 2021, o uso de rodenticidas para proteger animais silvestres da região.