/Por Ana Beatriz Miranda

Assim como muitos outros mercados, o mundo do vinho também é dominado, historicamente, por homens. Contudo, ao longo da história da bebida e a cada ano que passa, as mulheres têm deixado sua marca e provado que vinho também é alçada delas. Conheça enólogas e produtoras vitivinícolas que alcançaram fama mundial com suas criações. 

Mulheres do mundo do vinho

Madame Clicquot Ponsardin

Crédito: Divulgação

Sim, o Veuve Clicquot, um dos champanhes mais prestigiados do mundo por séculos, se tornou o império grandioso que é por causa de uma mulher, Barbe-Nicole Ponsardin. Ela se viu viúva aos 27 anos e corajosamente, contra tudo e todos, assumiu a vinícola da família do seu marido. Na época, no início do século 19, as mulheres não tinham os mesmos direitos dos homens. Ela se dedicou a estudar a viticultura e criou duas técnicas revolucionárias na elaboração do champanhe, o remuage e o dégorgement, além da versão rosé do célebre espumante francês. 

Baronesa Philippine de Rothschild 

Crédito: Divulgação

Em 1988, Philippine assumiu o negócio da família após a morte de seu pai, o Barão Philippe de Rothschild, que dá nome à vinícola francesa. Ela foi uma das mulheres mais importantes na história do vinho contemporâneo. Da França, decidiu expandir a empresa para o Chile, sendo extremamente bem-sucedida ao elaborar, em parceria com a gigante Concha Y Toro, um dos grandes ícones chilenos, o Almaviva.  

Susana Balbo

Crédito: Divulgação

Quando falamos em vinhos argentinos de alto nível, Susana Balbo é um dos primeiros nomes a ser lembrados. Ela foi a primeira mulher a se formar em enologia na Argentina, em 1981, e rapidamente mostrou o talento que a levou a fundar a Susana Balbo Wines, vinícola de renome mundial. Um de seus grandes feitos foi tornar a uva branca Torrontés um ícone argentino.  

Filipa Pato

Crédito: Divulgação

Filipa Pato é uma enóloga portuguesa que elevou Bairrada e a casta local, Baga, a um nível nunca visto até então. Seus vinhos autênticos são chamados de “sem maquiagem”, pela pureza e honestidade das práticas biodinâmicas que ela aplica, com uso de leveduras nativas e mínima intervenção. Ela e suas criações têm colecionado prêmios e chamado a atenção da crítica especializada. 

Charlène Pinson

Crédito: Divulgação

Desde 2008, Charlène Pinson está à frente de uma das mais tradicionais vinícolas da Borgonha, Domaine Pinson. Eles produzem o Chablis, vinho branco especialíssimo borgonhês, desde o século 17. Ela continua o legado secular da família e se orgulha de ser uma mulher entre tantos homens em uma das mais importantes regiões produtoras de vinho do mundo.  

Mônica Rossetti 

Crédito: Divulgação

A brasileira e descendente de italianos Mônica Rossetti começou a se interessar por vinho ainda cedo. Ela se tornou uma das principais enólogas da Lidio Carraro, sendo a responsável pelos vinhos brancos e tintos da Copa do Mundo e Olimpíadas que foram sediadas no Brasil. Atualmente mora na Itália, onde elabora vinhos sensacionais com seu marido.