/Por Ana Beatriz Miranda

A uva País foi uma das primeiras cultivadas no Chile, com a chegada dos espanhóis. Com o sucesso de outras variedades como Cabernet Sauvignon e Merlot, essa tinta ficou por anos nos bastidores até que começou a se tornar protagonista de novo, se destacando no cenário internacional. 

Seja em tintos varietais, blends ou espumantes rosés, a País se apresenta cheia de personalidade e exuberância. Ela tem conquistado cada vez a crítica especializada e os apreciadores de vinhos chilenos.  

Origem da uva País

De origem espanhola, mais especificamente de Castilla, o nome original da País era Listán Negro ou Listán Pietro. Ela foi trazida para as Américas no século 16, por missionários franciscanos, tendo como primeiro destino o México. Por lá, seu nome mudou para Misión.

Em pouco tempo, ela foi levada para a Califórnia, nos Estados Unidos, e depois para a Argentina, onde mudou de nome mais uma vez para Criolla Chica. Por fim, chegou ao Chile através dos jesuítas e passou a ser a uva oficial do vinho religioso. Ela brilhou por um bom tempo e até trocou de nome mais uva vez, agora se firmando como a País. Porém, seu reinado foi suplantado por outras tintas mais adaptáveis. 

Um novo capítulo

Após muitos anos da hegemonia das uvas francesas Cabernet Sauvignon, Merlot e Carménère no Chile, alguns profissionais do mundo do vinho começaram a questionar a forma de se produzir a bebida por ali, inspirada no estilo francês. Louis-Antoine Luyt foi um dos principais responsáveis por trazer à tona novamente a uva País, inconformado com a até então falta de personalidade própria do vinho chileno.

Depois de anos de estudo e preparação, ele abriu sua própria vinícola e tornou a País sua uva principal. O resultado foi a elaboração de vinhos encantadores, que rapidamente começaram a chamar a atenção ao ganhar concursos mundo afora. Assim, outros produtores seguiram o exemplo e passaram a plantar a País. 

Características da uva País

O vinho elaborado com a País é rico, com muita fruta vermelha, corpo médio, gastronômico e com final persistente. Podem ter um quê de rusticidade, mas ficam cada vez mais elegantes e aveludados com o tempo.