/Por Ana Beatriz Miranda

Uma região prestigiada da França, mas talvez não tão conhecida internacionalmente como outras, Beaujolais produz vinhos há milhares de anos. Ela começou a se destacar a partir do século 20, com a criação das AOC (Appellation d’origine contrôlée), entre 1936 a 1988, mas principalmente com o Beaujolais Nouveau

Beaujoulais Nouveau

Trata-se de um vinho de fermentação mais rápida. Em 1985, a terceira quinta-feira de novembro foi decretada como o dia de sua comercialização. Ele deve ser consumido apenas até agosto do ano seguinte, pois perde suas características depois disso.

Todo ano há um evento cheio de festividades para celebrar o Nouveau e foi essa tradição que despertou o interesse de consumidores mundo afora. 

Localização e terroir

A região fica no sul de Borgonha, na região central do país. Seus solos são variados, com destaque para o argilo-calcário e o rochoso granítico. Há 12 sub-regiões definidas como AOC, divididas em Beaujolais, Beaujolais Villages e os Crus de Beaujolais. Também existem divisões entre Blanc e Rosé, cada qual com suas próprias regras de cultivo e elaboração.   

A uva Gamay e os vinhos Beaujolais

A uva tinta Gamay é a rainha dos vinhos Beaujolais. Algumas outras tintas são permitidas, mas em porcentagens baixas. Para os brancos, a uva autorizada é a Chardonnay. De forma geral, os vinhos são leves, tem taninos sutis e acidez acentuada. Os estilos variam de acordo com as AOC. 

Beaujolais e Villages produzem exemplares fáceis, deliciosos e frutados, incluindo o Nouveau. Contudo, a região possui parcelas de vinhedos especiais que geram vinhos mais sofisticados. São os crus de Beaujolais. Entre eles, Chiroubles, Brouilly e Régnié dão origem a rótulos redondos, frutados e tenros; Fleurie, Saint-Amour e Côte de Brouilly elaboram vinhos sedosos, perfumados e requintados, e Juliénas, Chénas, Morgon e Moulin-à-Vent, exemplares potentes, generosos e intensos. 

Enoturismo em Beaujolais

O enoturismo é muito bem estruturado na região. A rota de vinhos permite a apreciação das belas paisagens no caminho, dos arredores de Lyon ao sul da Borgonha, passando por dezenas de municípios. Os moradores locais são calorosos e têm o prazer de ajudar os enoturistas a desbravar seu patrimônios, sobretudo os vinhos e a gastronomia.