/Por Ana Beatriz Miranda

Vinhos de culto são como os mais raros diamantes do mundo da nossa bebida favorita. Eles estão envoltos a mistérios e segredos que só quem tem o privilégio de experimentá-los entende por que são tão especiais. O que é uma tarefa árdua, já que são rótulos de oferta baixa e realmente difíceis de encontrar, embora cobiçados. 

Os vinhos de culto são aqueles que conquistam uma fama imensurável, que todo enófilo que se aprofunda mais no tema sonha em degustar. E, claro, atingem preços exorbitantes. Uma questão interessante sobre esses exemplares é que eles acabam valorizando muito a região onde são elaborados. Eles viram referência da qualidade potencial de vinhedos. Por isso, vale a pena procurar os segundos vinhos das vinícolas que fazem os de culto.  

Vinhos de culto para você conhecer

Domaine Romanée-Conti

Também chamado carinhosamente de DRC, o Romanée-Conti é conhecido até mesmo por quem acabou de adentrar no mundo do vinho. Ele é elaborado em Côte de Nuits, na Borgonha, com a uva Pinot Noir. Seu preço vai de 4 mil a 12 mil dólares.

Está sempre na lista dos mais caros do mundo, ocupando o primeiro lugar quase sempre. Ele atinge seu potencial máximo depois de várias décadas. Logo o DRC é comercializado como estoque. Trata-se de um dos vinhos de culto mais míticos. Especialistas dizem que as melhores safras recentes foram as de 2012, 2010, 2009 e 2005. 

Vega Sicilia “Unico”

Desde que foram premiados na Feira Mundial de 1929, os vinhos Vega Sicilia se tornaram o grande vinho de culto espanhol. Originalmente ele era um blend de 80% Tempranillo com variedades bordalesas, mas hoje é 100% Tempranillo. Seu valor começa em 300 dólares.

O termo “Unico” se refere a uma classificação de envelhecimento de Ribera del Duero, onde é elaborado. O Vega Sicilia é um gran reserva que passa cinco anos amadurecendo, sendo pelo menos dois anos em barricas de carvalho. Depois de repousar por 20 anos, esse tinto revela camadas de frutas vermelhas e pretas, com uma suave mineralidade.  

Tenuta dell’Ornellaia Masseto

Curiosamente um dos vinhos de cultos mais interessantes da Itália não é feito com uma variedade autóctone do país, mas, sim, com a francesa Merlot. O Tenuta dell’Ornellaia Masseto é elaborado em Bolgheri, na Toscana e seu preço varia de 600 a 3.500 dólares.

Ele é um supertoscano, por não se enquadrar nas regras da denominação de origem controlada, já que não usa uvas italianas. Outras uvas francesas como Cabernet Franc e Syrah também têm originado rótulos de culto capazes de impressionar qualquer crítico especializado. 

Mollydooker

Não é só do Velho Mundo que os vinhos de culto vêm. O Mollydooker é um rótulo australiano elaborado por um casal em McLaren Vale, no sul de Adelaide. O preço é por volta de 200 dólares.

Eles começaram a fazer vinhos de forma despretensiosa, resultando em exemplares de Shiraz exuberantes. O prazer de degustá-lo é comparado ao de comer chocolate. Os produtores irreverentes indicam agitar a garrafa antes de abrir, para uma decantação em alta velocidade. 

Screaming Eagle

Diretamente de Oakville, Napa Valley, na Califórnia, o Screaming Eagle, chamado de Screagle) é elaborado majoritariamente com Cabernet Sauvignon, mas tem também pequenas porcentagens de Merlot e Cabernet Franc.

Seu preço varia de 2.400 a 5.000 dólares. Ele é um dos vinhos de culto de Cabernet mais falados do planeta. Os críticos se impressionaram com sua complexidade aromática e gustativa. Para se ter uma ideia, os aromas se abrem em frutas vermelhas doces, cassis, flores, sálvia e até pedra.   

Confira os vinhos premiados disponíveis para compra:

vinho
Brasil
Região: Serra do Sudeste
2010 / 750 ml / TINTO
Lidio Carraro Grande Vindima Tannat 2010
R$ 485,88
MAIS DETALHES
vinho
Chile
Região: Valle del Maipo
2015 / 750 ml / TINTO
Echeverria Quasar Wines Limited Edition Syrah 2015
R$ 234,12
MAIS DETALHES