/Por Ana Beatriz Miranda

A temporada da despedida do outono e chegada do inverno no Brasil vem acompanhada de uma das festas mais deliciosas do ano, a junina ou São João. A festa junina faz parte da cultura brasileira e é celebrada em todos os cantos do país. 

A origem dos festejos é secular e europeia, quando o povo festejava a fartura da colheita no solstício de verão. A comemoração cruzou os oceanos e continuou a tradição no hemisfério sul, mas aqui exaltando o solstício de inverno. No Brasil, a colheita do milho é favorecida nessa época do ano, logo, grande parte dos quitutes dos festejos é à base desse alimento. 

Sendo o território brasileiro de dimensões continentais, há diversas variações de festas e cardápios de norte a sul. Mas tudo pode e deve ser harmonizado com nossa bebida favorito. Festa junina e vinho combinam demais!

Cada região valoriza suas receitas típicas. No Nordeste, a festa junina é uma das mais tradicionais. Os pratos mais comuns são milho cozido, pamonha, bolo de milho, mungunzá (canjica branca), caruru, baião de dois e cuscuz nordestino

No Norte, maniçoba, tacacá com tucupi, tapioca, caruru, cuscuz e broa de macaxeira. No Centro-oeste, pamonha, bolo de milho salgado, bolo de amendoim, arroz doce, cocada, pé de moleque. No Sudeste, além das receitas clássicas, entram cachorro-quente, pizzas, espetinhos, caldos, pipoca e feijão tropeiro. E no Sul, o churrasco e o pinhão também fazem parte do cardápio junino, junto com os pratos tradicionais de milho.  

Pratos clássicos de festa junina e vinho para harmonizar

Canjiquinha

Também conhecida como péla-égua, quirera ou xerém, dependendo da região do Brasil, a canjiquinha é bem comum nas festas juninas do Sudeste. Normalmente, usa-se carne de porco, de boi e embutidos para incrementar a receita, que ganha sabores defumados.

O vinho para harmonizar precisa ter boa estrutura para sustentar a untuosidade do caldo, boa acidez e taninos macios. Tintos jovens de Cabernet Sauvignon e Merlot são boas opções.  

Caldo de feijão

O caldinho de feijão é paixão nacional e tem tudo a ver com as festividades de junho e julho. Temperado e com embutidos, ele tem várias versões, inclusive com elementos crocantes, como torresmo.

Por ser uma receita mais gordurosa, o caldo de feijão combina com vinhos que ajudam a “limpar o paladar”, como um tinto jovem com boa acidez, um Barbera, por exemplo. Brancos mais estruturados, que estagiam em barricas de carvalho por um tempo, também ficam incríveis.  

Canjica

Talvez a receita mais clássica de São João, a canjica pede vinhos que equilibrem sua doçura, como um espumante demi-sec ou um moscatel. Vinhos late harvest brancos também são ótimas escolhas. Se você quer servir um vinho tranquilo, experimente combinar a canjica com um chardonnay da Califórnia, que traz notas de coco e cremosidade. 

Bolo de milho

O bolo de milho não pode faltar nos festejos juninos. Se a receita for mais doce e cremosa, ela vai combinar melhor com vinho mais adocicados também, como um espumante demi-sec, moscatel ou até mesmo um vinho tranquilo branco meio seco. Caso o bolo de milho seja mais seco, como a broa, aí a dica é harmonizar com um espumante brut.

Pé-de-moleque, paçoca e cocada

Os docinhos mais maravilhosos e cobiçados da festa junina, como pé de moleque, paçoca e cocada, fazem um par perfeito no paladar com vinhos que também sejam doces. Vale testar as melhores combinações. Espumante moscatel, vinho Madeira, vinho do Porto Tawny, exemplares late harvest e, se quiser ousar, um espumante brut